quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Rafael Braga estaria livre se seu sobrenome fosse Sirotsky

Catador de reciclados, morador da favela do Cruzeiro, negro, Rafael Braga ficou nacionalmente conhecido por ser o único condenado das manifestações de 2013. Foi detido portando um Pinho Sol. Seria hoje um homem livre se seu sobrenome fosse Sirotsky.

Por Kiko Nogueira, DCM

O julgamento de Rafael, retomado na terça-feira, dia 8, na 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), deu o esperado: habeas corpus negado por dois votos a um.

Catador de reciclados, morador da favela do Cruzeiro, negro, ele ficou nacionalmente conhecido por ser o único condenado das manifestações de 2013. Foi detido portando um Pinho Sol e condenado, mesmo sem provas, por fabricar “artefatos explosivos”.

Depois veio a condenação por tráfico de drogas com base somente na palavra de um PM, sendo ignorada uma testemunha ocular que atesta sua inocência. A polícia diz que ele portava 0,6 gramas de maconha e tinha um morteiro. Pronto.

Considere o caso de Sérgio Orlandini Sirotsky, de 21 anos, que atropelou três pessoas no último final de semana em Jurerê Internacional, norte de Florianópolis, a praia preferida de gente bonita como Aécio Neves, e fugiu sem prestar socorro. Ele se apresentou às autoridades policiais no mesmo dia em que Braga voltou para a prisão. Segundo o boletim de ocorrência, Sirotsky colheu três homens com seu Audi A3 e abandonou o veículo numa rodovia perto de um motel. As vítimas foram atingidas às 5h30 em frente a uma balada.

Em 2010, Sirotsky foi acusado de um crime devidamente abafado por toda a mídia nacional. Natural: ele é filho de um diretor da RBS em Santa Catarina, afiliada da Globo. Uma menina de 13 anos foi ao seu apartamento, onde ele vivia com a mãe e o padrasto, e lá foi violentada.

Elio Gaspari, que furou o bloqueio na imprensa, escreveu em sua coluna: “A jovem contou em seu depoimento que foi estuprada por um ou dois rapazes, ambos menores. Além do dono do apartamento, denunciou o filho de um delegado. Medicada num hospital, deu queixa à polícia e submeteu-se a um exame de corpo de delito”.

O secretário de Segurança Nivaldo Rodrigues declarou que não podia afirmar que houve estupro.
“Houve conjunção carnal. Houve o ato. Agora, se foi consentido ou não, se foi na marra, ou não, eu não posso fazer esse comentário, porque eu não estava presente”, falou. Rodrigues acabou exonerado, mas pagou o pato sozinho.

Para encurtar: Sérgio ficou de boa na lagoa. Sete anos mais tarde, o atropelamento de três pessoas — pelo qual, certamente, não responderá perante a Justiça.

Sabe Deus o futuro que o aguarda. O de Rafael, como era de se esperar, deixou de existir. Mas ele perdeu o que não tinha.

Abaixo, o relato publicado no site do jornalista Paulo Lopes em agosto de 2010:

A juíza Maria de Lourdes Simas Porto Vieira, da Infância e Juventude de Florianópolis (SC), condenou dois adolescentes de 14 anos à “liberdade assistida” por seis meses por estupro de uma garota de 13 anos.

Um dos adolescentes é filho de um delegado e outro, de Sérgio Sirotsky, da família detentora do Grupo RBS de comunicação.

Além da “liberdade assistida”, os jovens terão de prestar serviços comunitários durante oito horas por semana. A família da vítima ficou perplexa com a decisão da juíza porque esperava que os adolescentes fossem internados em uma instituição de menores delinquentes.

Francisco Ferreira, advogado da família, já esperava que houvesse uma pena abrandada por causa da influência da família Sirotsky. O Grupo RBS controla 46 emissoras de televisão filiadas à Rede Globo, emissoras de rádios e oito jornais no sul do país.Ferreira vinha afirmando que, se os jovens infratores fossem negros e pobres, já teriam sido enviados à internação.

Os jornais do RBS só noticiaram o caso quando um blog divulgou um texto do jovem Sirotsky assumindo o estupro.

No início das investigações, Nivaldo Rodrigues, o então diretor da Polícia Civil de Florianópolis, disse que houve “conjunção carnal”, mas que não poderia afirmar que tinha ocorrido estupro porque “não estava presente”. Rodrigues teve de pedir demissão por causa dessa declaração.

Na denúncia (acusação formal) que enviou à Justiça, a promotora Walkyria Ruicir Danielski, da Infância e Juventude, não sugeriu nenhuma punição, embora pudesse fazê-lo. Mas em entrevista ela disse que o caso não seria de internação.

O estupro ocorreu na noite de 14 de maio deste ano no apartamento em que o jovem Sirotsky mora com a mãe, que é divorciada. A garota disse que não estava em sua plena consciência porque tinha bebido vodka oferecida pelos adolescentes. Além disso, ela desconfia que houvesse sonífero na bebida.

Em um diálogo atribuído ao jovem Sirotsky com alguém não identificado na rede social Formspring, ele debocha da possibilidade de ser punido pelas autoridades. O interlocutor perguntou se temia ser preso. Resposta: “Tu tá zoando”.

Fonte: Portal Pragmatismo Político.

Leia também: 
Rafael Braga: O filho da Mãe errada que não tinha o avião certo