quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Somos os que NÃO SE prestam! – Por Sofia Cavedon

Artigo publicado no RS Urgente.

Foto Divulgação Gabinete
Os deputados gaúchos que recentemente expressaram preconceito explícito, na verdade revelam a ideologia dos que defendem a concentração de terras e privilégios, conservadores na dimensão material e cultural, ao tentar conceituar “quilombolas, índios, gays, lésbicas, tudo que não presta”.

Essas manifestações odiosas reagem ao fato de que essas minorias vem se organizando e conquistando nos últimos anos, com apoio do Governo Federal e da sociedade civil, políticas públicas, espaços institucionais e vitórias que incomodam profundamente esses setores poderosos.

Por compartilhar os sonhos e lutas das minorias e ter a convicção que resultam em benefícios para a maioria reajo afirmando que: Somos os que não nos prestamos a manter um sistema de educação e emprego onde as melhores vagas públicas são reservadas aos filhos das elites e construímos os sistemas de cotas reparatórias.

Somos os que não nos prestamos a consumir a alienação da comunicação de massa dominada pelas oligarquias e lutamos pela democratização da mídia.

Somos os que não nos prestamos a continuar aceitando a dizimação dos povos originários, pois defendemos seus direitos a terra e a dignidade.

Foto Divulgação Gabinete
Somos os que não compactuamos com o falso moralismo que oprime mulheres e LGBTs em nome da “Tradição Família e Propriedade” que sustenta um mundo e um Brasil profundamente desigual e violento. 

Na verdade, somos os que não nos prestamos à manutenção de um sistema político eleitoral que, dominado pelo poder econômico, elege representantes destas posições que marginalizam e oprimem a diferença.

O Congresso eleito pelas atuais regras do jogo, já mostrou que não tem vontade política para modificar esse sistema. Por isso, queremos fazer a reforma política através de uma Assembleia Constituinte exclusiva eleita pelo povo, independente do poder econômico e livre de preconceitos obtusos. Para mudar a política brasileira. Para tirar do Congresso os que efetivamente não prestam. Para construir uma sociedade de justiça e igualdade!

Sofia Cavedon - Vereadora do PT em Porto Alegre

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Monitoras vão à Câmara de Vereadores pela derrubada do veto

Foto Ederson Nunes/CMPA
Lotando parte das galerias do plenário da Câmara de Porto Alegre, as monitoras da Rede Municipal de Ensino mostraram que estão mobilizadas pela derrubada do veto à Emenda, de autoria da vereadora Sofia Cavedon (PT), que passa do padrão 6 para 7. 

A emenda e o projeto de lei, que autoriza a realização do concurso para monitoras e altera as atribuições e o nível de escolaridade, foi aprovado em dezembro na Câmara de Vereadores, mas o prefeito vetou a emenda.

Foto Ederson Nunes/CMPA
Para Sofia, vice-presidente da Comissão de Educação (Cece), a mobilização das monitoras nesta tarde, conversando com cada vereador e vereadora para garantir a derrubada do veto do Prefeito à sua classificação no padrão 7 foi linda e forte.

Foto Ederson Nunes/CMPA
O veto será votado no dia 10 de março na primeira sessão plenária após o carnaval. As monitoras conversaram com inúmeros vereadores e vereadoras, apresentando os motivos para a derrubada do veto, e saíram da Casa Legislativa com a indicação de apoio à luta que já dura mais de 15 anos. Também no dia 10 de março, às 10h, a Cece realizará uma audiência sobre o tema e convidará o Governo Municipal para participar. O encontro será na Sala das Comissões da Câmara de Porto Alegre.

Veja também:
Monitoras pelo Padrão 7

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Realização de concurso para profissionais da comunicação é solicitada junto à prefeitura da capital

Desde 1999 não é realizado concurso na área. 

Foto Bruna Fernanda Suptitz
O último concurso para profissionais da comunicação realizado pela prefeitura de Porto Alegre aconteceu há 15 anos. Esta foi a motivação da reunião, na tarde desta terça-feira, dia 25, entre o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (SINDJORS), a Associação dos Profissionais de Comunicação Social da Prefeitura de Porto Alegre (ASSCOMPOA) e o Comitê de Política Salarial da Prefeitura de Porto Alegre.

Ao apresentar a pauta do encontro, o presidente do SINDJORS Milton Simas expôs que, no entendimento do Sindicato, comunicação é uma política de gestão. A realização de concurso na área assegura o acesso do jornalista ao serviço público, podendo o profissional exercer sua função de comunicador social. A secretária de Planejamento Estratégico e Orçamento Izabel Matte recebeu o grupo a pedido do prefeito José Fortunati.

Pela Asscompoa, a presidente Rita Becco e o diretor Fabiano Cardoso, manifestaram a insatisfação do setor de comunicação da prefeitura com o tratamento recebido pelos gestores municipais. “Concurso para jornalista é bom para a imagem do governo”, ressaltou Cardoso, lembrando que este profissional é a garantia que o cidadão tem de estar recebendo informação qualificada. No entendimento deles, o concurso público proporciona equilíbrio entre o governo e a administração.

A atuação do Conselho Municipal de Comunicação também foi abordada na audiência. Criado por decreto-lei, o projeto de funcionamento do conselho está arquivado desde 2005, e depende de uma iniciativa do Executivo para sair do papel. Para Simas, o espaço atenderia a uma necessidade do setor. “Hoje nós não temos voz, não temos um local para debater com a sociedade temas relevantes para categoria” destacou. Ainda dentro da pauta, a prefeitura foi questionada quanto à revisão do plano de carreira dos servidores de comunicação da prefeitura.

Também participaram da reunião o secretário adjunto de Administração Carlos Fett e a assessora do gabinete do prefeito, nova coordenadora do Comitê de Política Salarial, Maria Leonor Luz Carpes. O grupo se comprometeu em analisar o pedido e apresentar uma resposta.

Desde que assumiu a gestão do Sindjors, a atual diretoria está dedicando especial atenção ao tema dos concursos públicos. Neste ano as Câmaras de Vereadores de Porto Alegre e Santa Maria foram questionadas sobre a criação de vagas para profissionais de comunicação. A viabilização da realização do concurso para a TVE e FM Cultura foi acompanhada desde o início pelo sindicato. Também foi solicitada agenda com a Assembleia Legislativa, quer até o momento não retornou.

Fonte: Imprensa/SINDJORS

Terceirizados da rede municipal de educação denunciam atraso nos salários

Foto Marta Resing
A Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) da Câmara Municipal de Porto Alegre realizou na tarde desta terça-feira (25/2) uma reunião com funcionárias da Cooperativa Cootrario, terceirizada da Secretaria Municipal de Educação (Smed). Segundo relatos das funcionárias, os salários estão atrasados.

A funcionária Márcia Rodrigues, que trabalha na Escola Municipal de Ensino Fundamental Migrantes, denunciou os constantes atrasos. “Eu e minhas colegas estamos enfrentando um problema com o nosso salário. Uma hora nos pagam dia 10, no mês seguinte no dia 12, não tem mais data certa, a gente sempre recebia no quinto dia útil”, disse.

Márcia Rodrigues também denunciou o descaso da cooperativa com os funcionários. Além de atrasar os salários, a cooperativa não paga férias, atrasa o pagamento do INSS e não fornece a quantidade de uniformes exata. “Falta de equipamentos e uniformes é corriqueira. Tenho que comprar tocas do meu dinheiro porque a Cootrario não fornece. Uma toca dura apenas 10 dias,” salientou.

Foto Francielle Caetano/CMPA
A vereadora Sofia Cavedon (PT), vice-presidente da Comissão de Educação, solicitou mais informações da Cootrario sobre o atraso dos pagamentos dos funcionários e os problemas relacionados à Caixa Econômica Federal e ao Banrisul para que nos próximos meses não ocorram novamente atrasos. Também sugeriu para a Smed que realize um levantamento junto as trabalhadoras para ver a quantidade necessária de Equipamentos de Proteção Individual – EPI - (Uniformes, toucas, botas, etc), que irá contribuir inclusive para a próxima licitação.

De acordo com Zuleica Beltrame, estava acontecendo um erro por parte da Caixa Econômica Federal. Ela informou que a Prefeitura Municipal sempre fez os depósitos em dia. Segundo ela, para corrigir este problema, a Smed solicitou que o pagamento fosse depositado em contas do Banrisul.

Fonte: Portal da CMPA.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Quilombo em Porto Alegre avança na titulação do território

Foto Marta Resing
Sofia Cavedon, vereadora do PT da capital, prestigiou o ato.

O ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA), Pepe Vargas, entregou na tarde desta segunda-feira (24), em Porto Alegre, ao presidente da Associação Comunitária Cultural do Areal, Alexandre Ribeiro, cópia da portaria que reconhece e declara como terras da comunidade remanescente de quilombo do Areal/Luiz Guaranha, área de 4.466,23 m2 localizada no município. O documento, publicado no Diário Oficial da União do dia 14 de fevereiro, permite avanços no processo de regularização do território – as áreas que o integram são de propriedade da prefeitura e do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Foto Marta Resing
“Cumprimento às famílias do Areal, guerreiras e guerreiros, que graças às lutas e resistências de vocês, está ocorrendo hoje este ato”, afirmou Pepe Vargas. “Um acontecimento como este, significa o resgate de uma dívida do estado brasileiro com vocês”, discorreu o ministro, durante seu discurso.

Com a portaria, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, poderá anunciar o encaminhamento de projeto de lei para destinar a área à comunidade, formada por 67 famílias.

O ato, realizado na comunidade, foi acompanhado também pela ministra da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros e pelo diretor de Ordenamento Fundiário Substituto do Incra e Coordenador Geral de Regularização Fundiária, Marcelo Trevisan.

Lei a íntegra da matéria no Portal do MDA.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Nesta quarta-feira - 26 de fevereiro - Dia de Luta das Monitoras pelo Padrão 7

Foto Marcela Brandes
As monitoras da Rede Municipal de Ensino da capital fizeram um intenso debate sobre o veto do prefeito que retirou o padrão 7 das trabalhadoras, e construíram um calendário de mobilização pela derrubada do veto.

A plenária definiu que o dia 26 de fevereiro será o Dia de Luta das Monitoras pelo Padrão 7.

As direções da Atempa e Simpa, que desde o inicio apoiam e participam da campanha, informam que na manhã desta quarta-feira (26), todas as monitoras estarão mobilizadas na frente das escolas com material informativo explicando para a comunidade a importância da valorização do serviço da categoria. A partir das 14 horas, a mobilização será na Câmara dos Vereadores solicitando apoio dos parlamentares pela derrubada do veto.

Foto Marta Resing
Conforme Sofia Cavedon, autora da emenda que passa do padrão 6 para o 7 e que foi vetada pelo prefeito, é uma injustiça que o Executivo está fazendo com a categoria. “Sem as monitoras a educação infantil não existe. São elas que cuidam das crianças e que abrem e fecham as escolas”, destaca a parlamentar.

Lei Republicada 

Após ter publicado no Diário Oficial de Porto Alegre a Lei 11.559 que mudava do Padrão 6 para 7, através de emenda da vereadora Sofia Cavedon à Lei que alterou as atribuições e nível de escolaridade de monitores e monitoras de escolas do município, o Prefeito volta atrás e reedita a Lei RETIRANDO a conquista das trabalhadoras.

Emenda de Sofia.

Lei 11.559 com o Padrão 7. 

Republicação da Lei 11.559 RETIRANDO o Padrão 7.

Atraso nos pagamentos das terceirizadas da RME é pauta da Cece

Nesta terça-feira (25/02), às 16h, a Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece), da Câmara Municipal de Porto Alegre, debaterá mais uma vez o problema que a Rede Municipal de Ensino (RME) enfrenta periodicamente, com os atrasos nos pagamentos dos pró-labores das terceirizadas (ex-cooperativadas) que atuam nos serviços de cozinha e serviços gerais das escolas. A reunião será na sala 303 da Câmara de Vereadore(a)s (Av. Loureiro da Silva, 255).

Pautado pela vereadora Sofia Cavedon, vice-presidente da Comissão, o encontro terá a presença da Smed, PGM, Secretaria da Fazenda, Cootrario, MP e direções de escolas.

Sofia lembra que a Cootrario é recorrente na exploração dos trabalhadores terceirizados, não pagando em dia, não concedendo ou não pagando férias, atrasando depósito do Fundo de Garantia, parcelando e atrasando vale-transporte. “Uma vergonha e um acinte com dinheiro público! E trata-se do serviço de limpeza e cozinha de todas as escolas!”, salienta a parlamentar.

Obras de arte públicas de Porto Alegre estão correndo sério risco

A Associação dos Escultores do RS (AEERGS), informa que as obras de arte públicas de Porto Alegre estão correndo sério risco caso um projeto de lei venha a ser aprovado na Câmara de Vereadores de Porto Alegre nesta quarta-feira, 26 de fevereiro, às 14h.

Conforme a direção da AEERGS, o projeto de lei do vereador Bernardino Vendruscolo (processo 5283/09, PLL 237/09) ataca diretamente o segmento e as obras de arte no espaço público, restringindo a liberdade artística dos autores, condicionando à instalação de obras de arte públicas á aprovação de lei e exigindo termo de responsabilidade de forma nebulosa. Como se isso tudo não bastasse, afirmam, ainda indica a retirada de obras de arte do espaço público.

Leia aqui a íntegra do projeto de lei 

Questionamentos da Comunidade Cultural: 

Em relação ao Art. 1°:
- Desmontaremos os júris e comissões de profissionais da área, delegando aos vereadores e retirando das entidades e dos organizadores de cada projeto essa decisão?
- Quem define o que é uma obra de pequeno porte, conforme citado no parágrafo único?

Em relação ao Art.2°: 
- De quem será a responsabilidade pela manutenção das obras, que hoje cabe à Prefeitura? Será do artista essa responsabilidade?

Em relação ao Art.5°: 
- Para o caso do absurdo de retirada de obras de arte do espaço público, quem determina que a obra teve “perda de sua relação cultural com o local’?

sábado, 22 de fevereiro de 2014

De olho no Araújo Vianna

Foto Divulgação Gabinete
Após levar para o Ministério Público de Contas do RS (MPC) as denúncias de irregularidades e o descumprimento de várias cláusulas do Termo de Permissão de Uso Parcial do Auditório Araújo Vianna, firmado entre o município de Porto Alegre e a permissionária Opus Promoções, Sofia Cavedon (PT/PoA) comemora alguns avanços conquistados pela ação.

Conforme a parlamentar a representação já impediu que fossem cobrados R$ 10 mil da Orquestra Villa Lobos, de escola pública, referente ao espetáculo de fim de ano no auditório, assim como os espetáculos do Governo do Estado, da Discografia, do pop rock gaúcho. “Vou verificar se estão usando as datas que são contrapartida da concessão”, informa Sofia.

Veja também:
Auditório Araújo Vianna – Sofia quer datas públicas para os artistas populares

Sofia e Raul palestram em Encontro de Formação da Juventude

Foto Divulgação DS
Sofia Cavedon, vereadora da capital, e o deputado estadual Raul Pont, foram os palestrantes do Encontro de Formação para a Juventude da Democracia Socialista (DS), tendência interna do Partido dos Trabalhadores (PT), realizada no sábado (22/2).

Os parlamentares petistas falaram sobre as mobilizações de 68 às multidões na ruas de 2013, a luta contra a exploração humana, a alienação e o autoritarismo que se reinventa para reagir ao capital que se apropriou das liberdades conquistadas e dos serviços públicos, e a atualização do papel da juventude marxista.

Transporte Público na pauta da Câmara de Vereadore(a)s

Foto Ronaldo Bernardi/Agencia RBS 
Cálculo da tarifa e audiência pública sobre a licitação 

Na quinta-feira (27/2), a Câmara Municipal de Porto Alegre será palco de dois importantes debates sobre o transporte público da capital.

Agende-se, divulgue: 

Às 14h30min, no Plenário Otávio Rocha (durante a sessão plenária): Secretário Vanderlei Capellari, apresentará a metodologia de atualização do cálculo tarifário do transporte coletivo por ônibus de Porto Alegre;

Às 19h, no Plenário Otávio Rocha: Audiência Pública sobre a licitação do transporte coletivo por ônibus em Porto Alegre. A audiência pública é promovida pelo Governo Municipal.

Fonte: Portal da CMPA.

Veja também:
Transporte Público – Sofia ouve a população

Doenças Raras promove encontro na segunda-feira (24)

A vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA) integrará a Mesa de Abertura do encontro.


Confira aqui a programação do evento.

Raul Pont será Cidadão de Porto Alegre

Foto Arquivo
Por iniciativa da vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA), a Câmara Municipal da capital concederá ao deputado estadual Raul Pont (PT), o título de Cidadão de Porto Alegre.

Conforme Sofia, Raul é um ícone da política gaúcha, pela sua experiência histórica em Porto Alegre e pela destacada atuação pública no estado.

Nascido em Uruguaiana e com mais de 50 anos de atuação na política, Raul Pont é formado em História pela UFRGS e fundador do Partido dos Trabalhadores. Foi líder estudantil, militante sindical, professor universitário, deputado estadual e federal, vice-prefeito e prefeito de Porto Alegre.

A proposta já está tramitando na Casa Legislativa.

Conheça aqui a história de Raul Pont.

Sofia Cavedon homenageia os 40 anos da Fundação Cultural Piratini

Por iniciativa da vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA) será concedida a Fundação Cultural Piratini - TVE e Rádio FM Cultura - o Troféu Câmara Municipal de Porto Alegre pela passagem dos seus 40 anos de atuação no Rio Grande do Sul. 

Sofia destaca que a homenagem é pela importância histórica da Fundação Cultural Piratini, através da TVE e Rádio FM Cultura e por suas ações de difusão da produção local e troca de conteúdo entre diferentes tevês e rádios públicas, que firmam o principal objetivo da instituição: promover uma comunicação democrática e que propicie o acesso à informação, educação e cultura, estimulando a reflexão crítica do seu público.

Saiba mais sobre a Fundação Cultural Piratini - TVE e FM Cultura.

Revista quer abrir espaço plural para debate teórico da esquerda

Revista Democracia Socialista se propõe a debater desafios que estão colocados para a esquerda hoje no Brasil, na América Latina e no mundo.

Por Marco Aurélio Weissheimer

Porto Alegre - “Se defendemos uma transição democrática para o socialismo, precisamos de uma revolução democrática para fazer essa transição. Não podemos separar as ideias de revolução e de socialismo da ideia de democracia. Este é o grande desafio dos socialistas e marxistas hoje e essa revista pretende ser um espaço plural de reflexão sobre esse tema”. Foi assim que o cientista político Juarez Guimarães, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apresentou a revista Democracia Socialista no ato de lançamento da mesma, ocorrido quinta-feira (21) à noite, no Sindicato dos Bancários, em Porto Alegre.

A publicação, anunciou Juarez Guimarães, pretende ser um local onde todos que reconhecem a importância dessa agenda possam se encontrar, escrever e refletir sobre os desafios que estão colocados para a esquerda hoje no Brasil, na América Latina e no mundo.

A revista é uma publicação quadrimestral da Democracia Socialista, tendência interna do PT, mas pretende promover o de debate e a reflexão sobre os desafios e dilemas da esquerda para além das fronteiras do partido.

Segundo Joaquim Soriano, editor da publicação, a nova revista se inscreve na tradição marxista revolucionária e quer se relacionar “como espaço de diálogo e criação, de teoria e prática, de tradição revolucionária e abertura para os novos desafios do século XXI, de reflexão sobre a experiência nacional e interlocução com as grandes experiências de emancipação em curso, em particular as latino-americanas”. Além disso, quer ser um instrumento útil para a militância partidária e dos movimentos sociais, especialmente para as novas gerações.

A nova publicação também quer ajudar a construir um campo teórico comum, tendo em vista o 5º Congresso do partido, que será realizado em 2015. O primeiro número traz uma longa entrevista com Emir Sader e tem como temas, entre outros: a Marcha Mundial das Mulheres, as jornadas de junho de 2013, as organizações de esquerda no Brasil nos anos 1970, a Revolução Cidadã no Equador e as origens da stalinização do Partido Comunista Italiano.

Foto Divulgação DS
No ato de lançamento, na capital gaúcha, o deputado estadual Raul Pont observou que durante muito tempo a DS manteve o jornal Em Tempo como espaço de informação e debate teórico. O jornal, porém, ressaltou, foi ficando muito defasado com a evolução de novas tecnologias de comunicação. “Hoje, temos notícias e análises de conjuntura disponibilizadas diariamente. Decidimos então produzir uma revista teórica plural e não sectária, que está aberta a outras correntes do partido e também de fora do PT”, explicou.

“Todos aqui temos orgulho de tudo o que já fizemos em nossa trajetória”, acrescentou Pont, “mas sabemos também que há muitas coisas que não conseguimos fazer em nossos governos. Essa autocrítica é o que nos move para continuar avançando”. Na mesma linha, Juarez Guimarães destacou a importância da revista como ferramenta teórica para enfrentar o contexto de crescente pragmatismo registrado no interior do PT. “Identificamos há alguns anos já que o PT vem convivendo com uma cultura pragmática que arrisca, no limite, dissolver a sua identidade como partido socialista. Não podemos seguir cedendo em valores em nome meramente do cálculo eleitoral utilitarista. Esse pragmatismo rebaixa o horizonte utópico e nos resseca a todos”, enfatizou o cientista político e dirigente do PT em sua fala no auditório do Sindicato dos Bancários.

A esquerda e seus labirintos 

Foto Arquivo
Juarez Guimarães utilizou a figura do labirinto para fazer uma comparação entre a situação vivida pela esquerda hoje e aquela vivida no período pós-golpe de 64. “Os jovens que começaram a militar no período pós-golpe, naquela situação agônica, tinham diante de si um labirinto que parecia não ter saída, onde se cruzavam dilemas antigos e novos da esquerda brasileira. Esses dilemas envolviam a caracterização do estágio e da natureza do desenvolvimento brasileiro, os limites do conceito de revolução democrática burguesa, defendido então pelo Partidão (PCB). As divergências em torno dessas questões fizeram com que as cisões das esquerdas adquirissem a forma de um labirinto. Dezenas de pequenos grupos de esquerda passaram a buscar a saída desse labirinto. A saída desse labirinto foi a fundação do PT muitos anos depois, após muitos erros, no sentido de errância mesmo”.

“Assim como a esquerda nos anos 60 viveu esse labirinto”, acrescentou, “hoje nós vivemos o nosso labirinto também, resultante de um processo de cisão e descontinuidade da cultura marxista que tem uma relação profunda com os impasses vividos pelo PT hoje”.

Para Juarez Guimarães, a chave para buscar a saída desse labirinto encontra-se no próprio Marx, em especial na ideia de auto-emancipação. “Essa ideia central de Marx o protege de qualquer elemento repressivo ou autoritário que se possa querer extrair de sua obra”, defendeu, apontando aquele que considera ser o caminho estratégico a ser seguido pela esquerda no Brasil e no mundo: não dissociar as ideias de socialismo, revolução e democracia.

“Esse é o grande desafio dos socialistas e marxistas hoje: fazer uma revolução democrática. Nunca esqueci de algo que o Raul (Pont) disse certa vez: quando estivermos confusos sobre o que fazer, precisamos dar democracia às pessoas. Fazendo isso, as chances de errar serão muito menores”.

Fonte: Revista Carta Capital

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Início do Ano Letivo

Foto Cristhine Genro/Seduc-RS
Sofia Cavedon, vereadora do PT e vice-presidente da Comissão de Educação, representou a Câmara Municipal de Porto Alegre no evento. Em sua manifestação, Sofia afirmou que o “conhecimento é a base da democracia onde a inquietação, decorrente do debate pedagógico, é demonstrativa de que a rede está no caminho certo: professores e alunos pesquisando e criando novas reflexões para responder aos desafios contemporâneos.”

Para Sofia, se há atividade humana que deve ser cuidada, valorizada, investida e refletida, é a educação. “Imaginem aos milhares, histórias de vida de meninas e meninos que terão na escola alternativas de vida e cidadania ou mais um fracasso dos adultos em garantir seu direito ao pleno desenvolvimento”, destacou a parlamentar.

Videoconferência mobiliza milhares de professores estaduais

Foto Cristhine Genro/Seduc-RS
Na abertura da videoconferência que marcou o início do ano letivo na rede pública estadual, o secretário de Estado da Educação, Jose Clovis de Azevedo, apresentou um balanço dos três anos de gestão e demonstrou convicção de que 2014 será um ano com concretização de diversos avanços na rede, em especial nas escolas e em ações que visam ao aperfeiçoamento profissional dos professores e servidores de escolas estaduais.

O evento pedagógico foi transmitido ao vivo e em tempo real para todas as Coordenadorias Regionais de Educação (CREs), pela Internet, com alcance a dez mil educadores da rede, em todo o Rio Grande do Sul. 

O titular da Seduc destacou que balanço de fevereiro indica a realização de 2.000 obras, em mais de 1.000 escolas estaduais, com investimento superior a R$ 300 milhões. Azevedo enfatizou que o governo do Estado mantém o processo de implantação do Plano de Necessidade de Obras (PNO), programa que vai reformar globalmente 524 escolas da rede e que já tem 100 projetos em processo de licitação. Para Azevedo, a parte mais difícil da obra, que são os projetos, está concluída. “Temos um banco de projetos como nunca o Estado teve, capaz de consolidar uma política de Estado, não de governo”, disse o secretário para os cerca de 500 professores, diretores e servidores de escola que participaram do encontro pedagógico no auditório Dante Barone, na Assembleia Legislativa, e para os profissionais da rede que acompanharam a videoconferência em outras 49 salas, na região metropolitana e interior do Estado. 

Azevedo também abordou temas prioritários da gestão, como a formação de professores, que já possibilitou mais de 300 mil participações em encontros pedagógicos para professores da rede, os investimentos na modernização tecnológica e a reforma do Ensino Médio, que movimenta e causa reflexão em mais de 1000 escolas, 350 mil estudantes e mais de 25 mil professores, além da sociedade gaúcha. 

Foto Cristhine Genro/Seduc-RS
Veja também: 
Mestre Chassot palestra na videoconferência de abertura do ano letivo

Fonte: Portal da Seduc/RS

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Artista de Rua – Vereadore(a)s querem Lei sancionada

Sancionar o projeto de lei que permite as manifestações culturais de artistas de rua no espaço público aberto, tais como praças, anfiteatros, largos e vias, é o pedido que o(a)s vereadore(a)s das comissões de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) e de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana (Cedecondh), da Câmara de Porto Alegre, farão ao vice-prefeito da capital, Sebastião Melo.

O encontro, informa a vereadora petista Sofia Cavedon, será nesta quarta-feira (19/2), às 14h, no Paço Municipal. 

O projeto de lei foi aprovado em dezembro do ano passado e inda não foi sancionado pelo prefeito.

Veja também:
Aprovado projeto que permite manifestações de artistas de rua

Sofia prestigia posse do Fórum Regional de Planejamento (RGP/6)

Foto Muriell Custodio Krolikowski
A vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA) participou, nesta segunda-feira (17/2), da posse dos novos representantes do Fórum Regional de Planejamento (RGP/6) da Região Sul e Centro Sul da Capital. Na ocasião, foram empossados 68 delegados e três conselheiros e suplentes que estudam o planejamento urbano por região e decide sobre projetos de construções que provocam mudanças na vida das pessoas e políticas de crescimento da cidade.

Sofia destacou em sua manifestação o trabalho realizado pelos representantes da RP6, que fazem grandes embates pela cidade sustentável, em especial na defesa do pequeno comércio, do meio ambiente e do patrimônio cultural.

As eleições para conselheiros, suplentes e delegados dos Fóruns Regionais de Planejamento são promovidas pela prefeitura, por meio da Secretaria do Planejamento Municipal. A cerimônia ocorreu no salão paroquial da Igreja de Nossa Senhora das Graças.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Sofia fará a abertura do ano letivo do Instituto Estadual de Educação

Foto Tonico Alvarez/CMPA
Com a palestra Gestão Democrática, Comprometimento e Participação, a vereadora Sofia Cavedon (PT-PoA), vice-presidente da Comissão de Educação da Câmara de Porto Alegre, estará na quinta-feira, dia 20/02, às 17h, participando da abertura do ano letivo do Instituto Estadual de Educação Flores da Cunha.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Lançamento da Revista da DS

Sofia Cavedon, vereadora do PT da capital e integrante da tendência interna Democracia Socialista, convida para:


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Veranópolis: projeto autoriza a doação de imóvel para instalação do Instituto Federal

Foto Agrofoto
Natural de Veranópolis, Sofia Cavedon, vereadora petista na capital, comemora o andamento do processo que autoriza a doação do imóvel, onde atualmente se localiza o Colégio Agrícola, para o Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS).

Apoiando e articulando desde o inicio do processo, Sofia destaca que o projeto de lei encaminhado à Câmara de Vereadores da cidade e ao IFRS, cumpre as formalidades discutidas na audiência pública do dia 13 de janeiro e registra como lei, os compromissos do município com os cursos técnicos da AVAEC (Academia Veranense de Assistência, Educação e Cultura/Colégio Agrícola). “Será a maior conquista na educação pública e gratuita para a comunidade”, ressalta a parlamentar.

Em Porto Alegre, Sofia e representantes de Veranópolis, entregaram nesta sexta-feira (14/2) ao administrador do IFRS, Fábio Augusto Marin, cópia do projeto de Lei 242/14, que foi entregue à Câmara Municipal da cidade.

Projeto de Lei para doação de área para o IFRS é enviado a Câmara 

Foto PMV
O prefeito Carlos Alberto Spanhol assinou no inicio do mês de fevereiro, o projeto de lei nº 242 que autoriza a doação do imóvel onde atualmente se localiza o Colégio Agrícola, para o Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS).

O projeto foi encaminhado para Câmara dos Vereadores para apreciação. O objetivo é implantar o câmpus na sede do Colégio Agrícola, que deve ter suas instalações repassadas à União, após a aprovação de projeto pela Câmara de Vereadores. Além da área do Colégio Agrícola, o Instituto Federal deve ocupar cerca de 20 hectares de terras que pertence à Fepagro.

A vinda do IFRS fornecerá ensino público de qualidade, com cursos técnicos e superiores, como agroindústria, metal-mecânico, administração de curta duração, biodiesel, pesquisas, assistência estudantil para os alunos, atividades de extensão, acesso a programas do Governo Federal, como Pronatec, Ciências Sem Fronteiras e Mulheres Mil, além de gerar empregos.

Com informações do Portal da Prefeitura de Veranópolis

Veja também: 
14 de janeiro de 2014 
Comunidade de Veranópolis e região debate instalação de câmpus do IFRS 

PT - 34 anos de luta

O Partido dos Trabalhadores completou 34 anos na última segunda-feira (10). Para comemorar o Partido promove na próxima quarta-feira, 19 de fevereiro, a partir das 19h30min, uma festa popular do PT/PoA, na sede municipal do Partido.

Os convites podem ser adquiridos pelo valor de R$ 10 na Sede (av. João Pessoa, 785), na Câmara de Vereadores e Assembleia Legislativa.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Arena do Grêmio: MPC pede suspensão de repasses para obras no entorno

Assista o programa Com a Câmara na Cidade, produzido pela TV Câmara de Porto Alegre, onde Sofia Cavedon, vereadora do PT da capital, junto com lideranças da região, apontam as irregularidades nas obras do entorno da Arena.



"Prefeitura insiste em manter isenção das responsabilidades... responderá por improbidade se não obedecer!" - Sofia Cavedon, vereadora petista da capital, vem denunciando desde 2010 as irregularidades nas obras do entorno da Arena.

Matéria publicada no Portal do jornal Zero Hora. (Por Juliana Bublitz)

Foto Bruno Alencastro/Agencia RBS
Órgão já encaminhou pedido de cautelar para o Tribunal de Contas do Estado 

O Ministério Público de Contas (MPC) entrou com pedido de cautelar para garantir que a prefeitura de Porto Alegre mantenha suspensos os repasses destinados às obras viárias no entorno da Arena.

A solicitação foi encaminhada ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ainda depende de uma decisão do relator do processo, conselheiro Marco Peixoto.

Em relatório de inspeção especial divulgado no fim de 2013, auditores do TCE apontaram indícios de irregularidades no termo de compromisso firmado entre a gestão municipal e a OAS para a construção do complexo esportivo.

No documento, os auditores concluíram que o município assumiu intervenções nos arredores do estádio estimadas em R$ 160 milhões, pelas quais a construtora havia se responsabilizado em um documento anterior. Por conta disso, pediram a anulação do termo.

O relator solicitou ao MPC que avaliasse o caso e examinasse os argumentos apresentados pelo prefeito José Fortunati para não cobrar as obras da OAS — entre eles o impacto da Rodovia do Parque (BR-448) no bairro Humaitá. Na análise, assinada pela adjunta de procurador, Fernanda Ismael, o órgão reforça as conclusões do TCE e insiste pela suspensão do uso de recursos públicos.

Em outubro passado, o MPC já havia recomendado a medida — em parceria com o Ministério Público —, e a sugestão foi atendida pelo município. Como o termo de compromisso segue valendo, Fernanda decidiu propor a cautelar.

— É uma forma de evitar danos ao erário e de prevenir futuros problemas — afirma.

O MPC também sugeriu que a prefeitura seja impedida de assumir, "direta ou indiretamente", quaisquer responsabilidades relacionadas ao termo, até o pronunciamento definitivo da Corte. Além disso, pediu a intimação da OAS para que se manifeste, se quiser.

Ao todo, até outubro, a prefeitura gastou R$ 9,7 milhões na região, com a duplicação de parte da Avenida Padre Leopoldo Brentano e a ampliação da Avenida Voluntários da Pátria.

Prefeitura promete apresentar solução 

A procuradora-geral adjunta de Domínio Público, Urbanismo e Meio Ambiente da Capital, Andrea Vizzotto, assegura que o município não fará novos investimentos nas obras dos arredores da Arena.

— Não só atendemos a recomendação feita em outubro, como paralisamos todos os outros projetos relacionados ao complexo esportivo, incluindo shopping center e centro de eventos. Não vamos fazer nada até que o impasse se resolva de forma definitiva — garante Andrea.

Sobre a possibilidade de revisão do termo de compromisso, a procuradora reconhece que ainda não há uma definição. Apesar disso, afirma que integrantes da Procuradoria-Geral do Município devem voltar a se reunir com o Ministério Público e do MPC na próxima semana para discutir o assunto.

— Nossa intenção é apresentar uma proposta preliminar e encontrar uma solução — garante.

Zero Hora entrou em contato com a assessoria de imprensa da OAS, que disse que a empresa não vai se manifestar sobre o caso.

Entenda a polêmica

- Em 2009, a OAS apresentou estudo de impacto ambiental no qual listou as intervenções necessárias para amenizar os efeitos da Arena.

- A construtora se responsabilizou pela maior parte das obras, como pavimentação e ampliação de vias. - Em 2012, foi firmado o termo de compromisso entre a prefeitura e a OAS, com os detalhes do negócio. O conteúdo do documento chamou a atenção do TCE e do MP por desconsiderar parte do que havia sido definido em 2009.

- No termo, segundo os dois órgãos, a maior parte das obras que seriam feitas pela OAS acabaram ficando a cargo da prefeitura, e outras foram ignoradas.

- A suspeita de irregularidades levou o MP a instaurar inquérito e a entrar com ação para pedir a anulação do acordo. A Justiça ainda não se manifestou sobre o caso.

- No TCE, os auditores também sugeriram a anulação do termo e a restituição, por parte do prefeito José Fortunati, dos valores. As medidas ainda não foram julgadas.

Veja também: 

Até chegar a este importante momento em que o Tribunal de Contas do Estado - TCE e o Ministério Público determinam à Prefeitura de Porto Alegre que não realize as obras com o dinheiro público e cobre da OAS S.A. as contrapartidas previstas no licenciamento, houve um longo processo de denúncias e cobranças pela vereadora Sofia Cavedon, juntamente com lideranças do bairro Humaitá e região.

Terceirizados da Saúde e Educação reivindicam salários atrasados

Clinsul e Cootrario: terceirizadas da prefeitura que exploram trabalhadores não pagando em dia, não concedendo ou não pagando férias, atrasando depósito do Fundo de Garantia, parcelando e atrasando vale-transporte. Uma vergonha e um acinte com dinheiro público! E trata-se do serviço de limpeza e cozinha de todas as escolas e a segurança de toda a saúde!” – Sofia Cavedon

Durante a semana a vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA) esteve, mais uma vez, envolvida na busca de solução para os seguidos problemas de atrasos nos pagamentos e outras irregularidades cometidas pelas empresas terceirizadas que atendem o Executivo Municipal, especialmente as que atuam na Educação e Saúde.

Além da Cootrario, que atua nas escolas da Rede Municipal de Ensino (RME) e que também está atrasando o pagamento dos salários das trabalhadoras, a Clinsul Mão de Obra e Representação Ltda, também não está pagando os trabalhadores que atuam nos serviços de portaria e limpeza da Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

Conforme denunciaram os trabalhadores da empresa Clinsul, além dos salários dos meses de dezembro e janeiro em atraso, a maioria foi obrigada a tirar férias no mês de dezembro, mas também não recebeu pelas mesmas. Os integrantes do grupo relataram ainda que estão com os alugueis e contas atrasados e não têm mais o que fazer.

Foto Marta Resing
Em reunião na SMS, Sofia disse que a empresa já havia tido problemas semelhantes no Grupo Hospitalar Conceição e que deve ser multada. “Mais de 200 funcionários terceirizados sem receber, postos e hospitais sem portaria, conturbação na saúde - compensa terceirizar?”, questiona a parlamentar.

No encontro ficou definido que a Secretaria irá multar a empresa, por não cumprir o contrato, e o Sindicato da categoria entrará entrando com medida cautelar no Ministério Público. “Tanto SMS como Sindicato se comprometeram com as ações e nós vamos continuar acompanhando a situação”, ressalta a vereadora.

Transporte Público – Sofia ouve a população

Foto Alexandre Böer
Em mais uma ação do mandato, a vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA) iniciou novamente as visitas aos terminais de ônibus para ouvir a população sobre o transporte coletivo da capital, à exemplo do que já fez em 2011, quando na presidência da Câmara de Vereadores instituiu o projeto Câmara no Ônibus, que gerou um amplo relatório de denuncias encaminhados para o Ministério Público (MP) e órgãos da Prefeitura.

Sofia ficou por cerca de duas horas nesta quarta-feira (12/2) ouvindo os usuários de ônibus da Zona Norte da capital. Os registros serão encaminhados novamente às instituições afins, como o MP.

Destacamos aqui algumas das reivindicações dos usuários: 

- Todos os ônibus tem que ter ar condicionado;
- Necessidade de ampliar os carros pela manhã, principalmente nos horário de pico. Os ônibus que passam na Baltazar depois das 6h30min estão super lotados;
- Condições do Terminal Rui Barbosa: inseguro, sujo, sem bancos e sem lixeiras;
- Conservação e investimento nas vias e calçadas em especial no Parque dos Maias;
- Retirada de focos de lixo nos acostamentos sem calçadas – como na entrada do Loteamento Fernando Ferrari, por exemplo.

Sofia destaca que a luta não é só por ar condicionado nos veículos. “A superlotação, a falta de alternativas para a Região Sul, como o transporte para o Instituto Federal da Restinga (IFRS), e o cumprimento das tabelas de horários.

Lembramos que no dia 27 de fevereiro (quinta-feira) a Câmara Municipal de porto Alegre realiza dois encontros para tratar do tema:

- Às 14h30min, no Plenário Otávio Rocha (durante a sessão plenária): Secretário Vanderlei Capellari, apresentação da metodologia de atualização do cálculo tarifário do transporte coletivo por ônibus de Porto Alegre;

- Às 19h, no Plenário Otávio Rocha, a ser confirmada pelo Governo Municipal: Audiência Pública sobre a licitação do transporte coletivo por ônibus em Porto Alegre. (esta audiência pública é promovida pelo Governo Municipal, sendo que a Câmara disponibilizará o espaço para o evento).

Arte Mario Pepo
Veja também: 
- Sofia entrega relatório do Câmara no Ônibus ao Ministério Público de Contas 
- Sofia leva demandas registradas pelo Câmara no Ônibus ao Ministério Público

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Com a Câmara na Cidade – Sofia visita Vila Liberdade e Entorno da Arena

Foto Marta Resing
O Com a Câmara na Cidade desta semana vai até o bairro Humaitá, na zona norte da capital, em uma visita com a vereadora Sofia Cavedon, do PT.

Desde 2010, a parlamentar cobra no Legislativo Municipal contrapartidas firmadas entre a Prefeitura e a empresa OAS para a construção da Arena do Grêmio.

Foto Marta Resing
Baseada em laudos do Tribunal de Contas do Estado e do Ministério Público, a vereadora afirma que as compensações previstas no termo de compromisso estão sendo pagas pelo Executivo, e não pela construtora.

Em outubro de 2013, por determinação do MPC, o Executivo decidiu suspender os repasses e a liberação de licenciamentos no Complexo da Arena do Grêmio. Mesmo assim, quase R$ 10 milhões já haviam sido retirados dos cofres municipais para cobrir os investimentos em obras de mobilidade no entorno do estádio. 

Foto Marta Resing
A comunidade da região agora cobra da Prefeitura o dinheiro utilizado para a construção dessas obras.
Moradores da Vila Liberdade, Santo André e região pedem melhor infraestrutura, moradias dignas, saúde e educação.

O Com a Câmara na Cidade foi ao ar pelos canais: 16 da NET e Canal digital de sinal aberto 61.4.

Assista aqui o programa:


Fonte: TV Câmara Porto Alegre

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Rodoviários recusam proposta, mas decidem voltar ao trabalho

Foto Fabiano do Amaral/CP
Decisão vale até o julgamento do dissídio da categoria, na próxima segunda-feira

Depois de 15 dias, os ônibus retornarão às ruas de Porto Alegre. Pelo menos ao longo desta semana. Esta foi a decisão final da assembleia dos rodoviários, realizada na noite desta segunda-feira, no Ginásio Tesourinha. A categoria comprometeu-se a colocar 100% da frota nas ruas nesta terça-feira, mas rejeitou a proposta elaborada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Com isso, se mantém o estado de greve até o dia 17, quando o dissídio será definido pelo TRT.

Cerca de mil rodoviários foram ao Tesourinha na noite desta segunda. Após começar com atraso, a assembleia chegou a ser interrompida por dez minutos em razão de falta de luz. Quando ela foi retomada, os líderes do movimento esplanaram suas opiniões e deu-se as votações.

A primeira decisão tomada, com os trabalhadores muito divididos, foi pela continuidade da greve. Em seguida eles votaram se manteriam ou não a paralisação na ilegalidade – descumprindo a determinação do TRT de colocar 70% dos coletivos circulando em horários de pico e 30% nos demais. Aí a decisão foi unânime por todos voltarem ao trabalho.

Foto Ramiro Furquim/Sul21
Categoria foi corajosa, avalia sindicalista

“A categoria teve coragem de fazer o que nenhum prefeito ou patronal teve. Mesmo que o dissídio seja votado semana que vem vamos rodar 100% a partir de amanhã”, declarou o representante da comissão de negociação, Alceu Weber. Ele, no entanto, não assegurou a totalidade dos ônibus nas ruas. “A garantia não existe, porque existe uma deficiência muito grande no quadro e na frota”, explicou.

Mais cedo, Weber defendeu o fim da greve na assembleia e a aceitação da proposta de 7,5% de reajuste salarial para a categoria, vale-alimentação de R$ 19, extinção gradual do banco de horas e manutenção do plano de saúde, com contribuição de R$ 10.

Decisão na Justiça

Com a crise no transporte público se arrastando desde o início do ano, a decisão sobre o reajuste dos rodoviários ficará a cargo da Justiça. A decisão ficará a cargo da Seção de Dissídios Coletivos do TRT. A sessão que deve definir o valor é a de 17 de fevereiro.

Entre as pautas dos rodoviários, o índice de reajuste é de 14%, enquanto o máximo oferecido por pelos empresários foi de 7,5%. Outra reivindicação, a extinção do banco de horas, foi acertado nesta segunda. 

Fonte: Portal do Correio do Povo.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Transporte Público - Rodoviários tem assembleia hoje

Foto Ramiro Furquim/Sul21
"Emocionante o depoimento das lideranças do quanto é estratégico o fim do banco de horas! Com o fim do banco de horas, o usuário vai se beneficiar porque rodoviários vão ter jornada mais digna e melhor qualidade no desempenho!

Alceu Weber abriu a reunião fundamentando as pautas nos dados objetivos do DIEESE: de 94 a 2013 a inflação medida pelo INPC foi de 305,01%, a tarifa de ônibus foi reajustada em 656,76% e os salários dos rodoviários em 326%! A prova que não são os salários que impactam a passagem!!! Para onde foi esta diferença? O TC apontou!" - Sofia Cavedon

Assembleia dos rodoviários pode determinar fim da greve após acordo no TRT

Por Débora Fogliatto/Sul21 

Os rodoviários em greve acenaram com a possibilidade de terminar a paralisação e colocar 100% da frota nas ruas a partir desta terça-feira (11), após a comissão de negociação firmar acordo com as empresas em reunião no Tribunal Regional do Trabalho (TRT4), em Porto Alegre.

Na mediação, pedida pelos rodoviários nesta segunda-feira (10), o Sindicato das Empresas de Ônibus (Seopa) concordou em extinguir o banco de horas, uma das principais reivindicações dos trabalhadores. Com isso, a proposta será levada à assembleia dos rodoviários às 19h, que pode decidir pelo fim da greve. 

Foto Divulgação Gabinete
Após duas horas de reunião, mediada pela vice-presidente do TRT, desembargadora Ana Luiza Kruse, a negociação terminou em um acordo que pareceu satisfazer ambas as partes. Foi determinado o fim do banco de horas, a ser feito de forma gradual até o fim de julho; o reajuste de 7,5%; vale-alimentação no valor de R$ 19 e plano de saúde com contrapartida de R$ 10. Os três últimos itens já haviam sido concordados na mediação anterior. Ao anunciar o fim do banco de horas, o advogado da Seopa, Alceu Machado, foi aplaudido pelos rodoviários presentes.

Na reunião ocorrida na quinta-feira passada (6), o Ministério Público ajuizou um dissídio coletivo para que o assunto fosse levado a julgamento pelo TRT. A audiência está marcada para o dia 17, mas caso a greve se encerre, o processo será extinto. O advogado dos rodoviários, Antônio Escosteguy Castro, argumentou que as propostas feitas eram compatíveis com o que provavelmente seria determinado pelo tribunal. “Vamos construir uma nova relação ou apostar no conflito? Se isso não for acordado na mesa, existe grande possibilidade de isso acontecer no tribunal”, defendeu ele no início da reunião.

A categoria também pedia que não houvesse desconto dos dias parados, o que não foi aceito pelas empresas. Ficou acordado que o desconto será feito parcialmente, um dia por pagamento — dois dias por mês — ou em forma de compensação enquanto durar o banco de horas. Os rodoviários tentaram defender que os dois primeiros dias, enquanto a greve estava dentro da legalidade, não fossem descontados dos trabalhadores, o que não foi aceito pela patronal. A desembargadora Ana Luiza Kruse, que presidiu todas as reuniões de mediação entre as duas partes, foi quem sugeriu que fosse descontado dois dias por mês e que as horas pudessem ser compensadas.

Foto Ramiro Furquim/Sul21
Alceu Weber, um dos integrantes da comissão, considerou que os rodoviários foram ouvidos. “É isso que sempre se pedia nas assembleias, entendemos que tivemos um ganho real”, afirmou. Ele considera que existe 70% de chance da greve ser encerrada. “É mais provável que o acordo seja aceito do que não seja”, garantiu.

Leia a integra da matéria no Portal Sul21

Plenária das Monitoras nesta terça-feira

Arte Mario Pepo
Prefeito volta atrás e retira Padrão 7 das Monitoras

Vamos nos mobilizar para derrubar o veto do Prefeito!

Após ter publicado no Diário Oficial de Porto Alegre a Lei 11.559 que mudava do Padrão 6 para 7, através de emenda da vereadora Sofia Cavedon (PT PoA) a Lei que alterou as atribuições e nível de escolaridade de monitores e monitoras de escolas do município, o Prefeito volta atrás e reedita a Lei RETIRANDO a conquista das trabalhadoras. 

Com o objetivo de discutir os próximos passos do movimento será realizada uma Plenária com as Monitoras da Rede Municipal, no dia 11, terça-feira, às 18h, na sede do Simpa – Rua João Alfredo, 61, Cidade Baixa.

Conforme Sofia, uma das medidas é a mobilização para derrubar o veto do Prefeito à Emenda de sua autoria que mantém a troca do padrão de 6 para 7.

Conheça aqui a Emenda de Sofia.

Veja aqui a Lei 11.559 com o Padrão 7.

Veja aqui a Republicação RETIRANDO o Padrão 7.

Hoje: 34 anos do PT

Parabéns a todo(a)s companheiro(a)s filiado(a)s no PT de Porto Alegre, que nesses 34 anos transformaram nossa cidade na capital mundial da participação e da democracia, construindo uma das mais exitosas experiências de gestão popular do país e aqui travaram tantas outras lutas contra o neoliberalismo, as injustiças e os preconceitos! 

Que as vitórias do passado, nos impulsionem às vitórias do futuro!

#PT34ANOS #PTBRASIL #PTPORTOALEGRE

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Um ano do corte das árvores no entorno do Gasômetro

"Um ano do corte das árvores na Usina - vida e resistência: a árvore cortada renasce, as marcadas para morrer recebem nosso abraço! #escolhosustentabilidade" - Sofia Cavedon 

Atenção: Marcada audiência pública na Câmara de Vereadores sobre o Parque Gasômetro. Será dia 24 de março (segunda-feira). O projeto de lei irá à votação no dia 26 de março (quarta-feira). Também marcada para o dia 10 de março (segunda-feira) a audiência pública sobre o Plano Cicloviário.

Ato celebra resistência a corte de árvores no entorno do Gasômetro 

Matéria publicada na edição impressa de 06/02/2014 do Jornal do Comércio, antes da realização do encontro.

Foto Sofia Cavedon
Movimentos sociais e ambientalistas fazem hoje um ato alusivo ao início do movimento que tentava impedir a retirada de árvores do entorno da Usina do Gasômetro em Porto Alegre. Organizado pelos ativistas do Quantas Copas Por Uma Copa, do Largo Vivo e do Orla Autônoma, a reunião prevê diversas atividades, como shows e debates, a partir das 18h, na Praça Júlio Mesquita e arredores, onde ainda restam oito árvores.

As sobreviventes foram protegidas por liminar do Ministério Público, que alega que uma lei municipal que cria o Parque do Gasômetro protege esses vegetais. As árvores envolvidas nesse imbróglio judicial e que ainda não foram derrubadas foram marcadas pela organização do encontro com tecido vermelho.

A ideia do encontro de hoje é reunir todos os envolvidos no movimento, além de simpatizantes, para evitar mais cortes. Para o grupo, as árvores ainda preservadas simbolizam a resistência que marcou todas as atividades desde 6 de fevereiro do ano passado, quando moradores constataram que vegetais estavam sendo cortados e subiram nos restantes para evitar o prosseguimento da ação.

A derrubada de 115 árvores, que era prevista no projeto de duplicação da avenida Edvaldo Pereira Paiva (Beira-Rio) - preparatório para que a cidade receba a Copa do Mundo neste ano - tornou-se alvo de protesto. Naquele dia, por conta da mobilização, apenas 14 das 115 marcadas foram abatidas.

Foto Mario Pepo
O movimento iniciado em fevereiro culminou no Ocupa Árvores, um acampamento ao lado da Câmara Municipal de Porto Alegre, que permaneceu em vigília por mais de um mês, ancorando-se em liminar obtida pelo Ministério Público para interromper as obras.

O grupo só foi retirado do local por força policial na madrugada do dia 29 de maio do ano passado, quando 200 policiais recolheram as barracas e prenderam os ativistas por desobediência e desacato.

Na ocasião, a prefeitura havia conseguido junto à Justiça um pedido de reintegração de posse, que estipulava o prazo de 48h para que os ativistas deixassem o local. O próprio Executivo chegou a retirar o documento, mas, na madrugada do dia 29, surpreendeu os ativistas com a ação policial. Recentemente, 13 dos 27 manifestantes que foram presos durante a operação conjunta da Brigada Militar e de órgãos da prefeitura de Porto Alegre entraram com uma ação contra o governo do Estado e o Executivo municipal por abuso de poder na desocupação.

Foto Mario Pepo
Apesar de a reunião celebrar o ato de resistência dos ativistas, o balanço é negativo. “Não tem como compensar uma árvore plantada há anos com uma muda”, lamenta a integrante do movimento, Inês Chagas. A compensação proposta pelo Executivo para os cortes foi de um plantio de 401 mudas, que ainda não foi concluído.

“O governo tem rabo preso com as empreiteiras, que até passaram asfalto em raízes de árvores cortadas. Pelo menos estamos conseguindo levar essa resistência longe, porque, em outros locais, arrancam as árvores e pronto. Conseguimos adiar”, avalia ainda Inês.

O empresário Flavio Sachs Beylouni, que também integra o movimento, defende que é importante a reunião para manter a fiscalização aos supostos abusos decorrentes de obras na Capital. 

Fonte: Portal do Jornal do Comércio.