quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Em defesa da música ao vivo e da cultura

foto sofia cavedon
A vereadora Sofia Cavedon (PT) se solidarizou com os músicos de Porto Alegre que protestaram na última terça-feira (28) na Cidade Baixa, em defesa da música ao vivo e da cultura e contra o decreto que restringe som ao vivo no bairro.

Para Sofia, que participou do ato, a ameaça de vedação de música ao vivo nos bares demonstra a falta de capacidade de mediação da Prefeitura que opta pela proibição. “Já não basta o mísero financiamento público para a Cultura e ainda querem fechar seus espaços”, manifesta a vereadora.

O novo decreto, que deve ser lançado pelo prefeito José Fortunati, entre uma das medidas esta a que proíbe música ao vivo em qualquer local comercial que não seja casa noturna. Na opinião de Sofia, que defende a mediação entre os músicos e os moradores, é preciso ter hora e condições, mas nunca a proibição.

O movimento organizado pelo apoio a música e ao direito ao trabalho conta com um abaixo-assinado na internet. O grupo também tem uma página de discussão do tema no Facebook.

Acesse:
Abaixo-assinado
Facebook

Veja a manifestação

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Cece - Escolas Municipais pedem segurança e espaços físicos

Na visita realizada na terça-feira (28), com a Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) da qual a vereadora Sofia Cavedon (PT) integra, duas escolas municipais da zona Sul de Porto Alegre solicitaram melhorias na estrutura física e reforço na segurança.

Para Sofia é lamentável que a Secretaria Municipal de Educação (Smed) tenha optado por gastar milhões na compra de uniformes, enquanto os prédios e a segurança das escolas municipais pedem por guardas, funcionários para portaria e reformas estruturais.

Chapéu do Sol
foto jonathan heckler/cmpa
Conforme a vereadora, na Escola Municipal Ensino Fundamental Chapéu do Sol, no Belém Novo, a reivindicação é a conquista de um local para atividades físicas e de contra turno, além de maior segurança, inclusive para a guarda dos inúmeros materiais que a escola dispõe. A diretora Luciane Andreotti pediu apoio da Cece para transformar um campo de futebol que possui em duas quadras, de saibro ou cimento, para prática de esportes, especialmente o tênis, já que há cerca de 60 alunos envolvidos em projeto deste esporte.

Sofia lembra que nessa Escola, em 2004, foi implantado o projeto piloto de compra direta de produtos da agricultura familiar para a merenda escolar, que também foi desenvolvido nas escolas Ponta Grossa e Anísio Teixeira. “Foi uma excelente experiência e nas últimas gestões do governo municipal a proposta acabou”, ressalta a vereadora. A partir dessas experiências, implantadas quando Sofia era secretária da Smed, ela apresentou projeto de lei criando a Agricultura familiar na alimentação escolar (Lei 9.947/06), sancionada pelo Prefeito, mas que a Smed não implementa. O Programa constitui--se da compra, pelas escolas, de hortifrutigranjeiros diretamente dos agricultores familiares locais e hortas comunitárias do Programa Fome Zero, para fins de complementação da refeição escolar na Rede Municipal de Ensino.

Transporte público deficiente, especialmente à noite, foi outra queixa apresentada aos vereadores.

Professor Anísio
foto jonathan heckler/cmpa
A cobertura da segunda quadra de esportes é a principal reivindicação da direção da Professor Anísio Teixeira. De acordo com a diretora Annamaria Cracco, as oito turmas de educação física são obrigadas a se revezar, pois apenas uma das quadras tem cobertura. A outra prioridade da escola, conforme a direção, é a construção de uma sala multiuso para abrigar material e oficineiros que participam do projeto Mais Educação.

Segundo Annamaria, a escola aguarda também por resposta da Smam à pedido de revitalização e de melhorias na Praça União, localizada quase ao lado do estabelecimento. "A qualificação da praça ajudaria a escola, pois temos falta de espaço para realizarmos todas as atividades dentro do colégio", explicou.

Com informações da Assessoria de Imprensa da CMPA.

2012: Ano letivo se inicia - Por José Clóvis de Azevedo*

Ao iniciarmos o ano letivo de 2012, nos dirigimos a cada um e a cada uma de vocês para reafirmar os compromissos com o avanço e qualificação da educação pública do nosso Estado. Mais do que intenções, muitos desses compromissos já podem ser percebidos de forma concreta.

Várias escolas já passaram por obras e reformas e o objetivo, este ano, é atingir mais 800 estabelecimentos escolares. Assim, nossa meta de reestruturação física e modernização tecnológica de todas as escolas da rede estadual neste mandato vai se tornando realidade. Importante, também, foi a ampliação dos recursos da autonomia financeira das escolas que passaram de 15 mil para 150 mil reais para obras e de 8 mil para 80 mil reais para equipamentos, descentralizando as ações a fim de agilizar cada um desses processos sob a coordenação das direções e acompanhamento e fiscalização direta da comunidade escolar.

Da mesma forma, avançamos sobremaneira na reestruturação curricular, seja no ensino fundamental de 9 anos, seja no ensino médio e na educação profissional e no processo de formação continuada e em serviço dos professores. Ainda este ano, será concedida ajuda de custo àqueles que têm cursos em andamento na Plataforma Freire e será dado início ao projeto que vai proporcionar cursos de especialização e de mestrado profissional aos professores da rede estadual.

No que diz respeito à valorização profissional, a atualização dos critérios de promoções permite democratizar esse processo com o acompanhamento e controle de cada professor sobre sua avaliação e progressão na carreira. Além disso, a evolução projetada sobre o salário básico, com reajuste de 76,88%, até 2014, significa o esforço concreto com a recuperação salarial do magistério gaúcho.

Some-se a isso, a realização do concurso público e a nomeação imediata de 10 mil professores que, aliada ao concurso para funcionários de escola, visa restabelecer um quadro de profissionais mais permanentes nas escolas, qualificando as relações de trabalho e repercutindo positivamente no processo pedagógico, fim último do nosso trabalho.

É inegável que a agenda educacional agora é outra. O nível de problemas mudou: o diálogo foi restabelecido, o processo pedagógico voltou para as mãos dos educadores sejam das escolas, sejam da Seduc, as horas atividades para formação e planejamento são uma realidade, retoma-se uma perspectiva de recuperação salarial.

Poderia listar muitas outras ações, projetos e iniciativas previstas ou já em curso, mas temos a convicção de que, mesmo com limitações, mesmo sem que tudo esteja resolvido, o magistério e a sociedade gaúcha reconhecem que vivemos um outro momento na educação pública de nosso Estado.

Avançar nesse rumo e ampliar nossas conquistas será resultado do trabalho de nossas mãos, de nosso empenho coletivo e da ação dedicada de cada um dos sujeitos que constroem, no dia a dia, a educação e o ensino nos mais diferentes recantos do RS, sem esmorecer e enfrentando de frente todos os desafios que a cada dia se renovam, sem nunca abandonar o que de mais precioso nos caracteriza: a confiança no ser humano e a persistência em construir no presente o cidadão integral, participativo e emancipado, base da esperança militante por uma sociedade cada vez mais justa e democrática para todos.

* José Clóvis de Azevedo é secretário Estadual da Educação

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

EIV – Sofia irá para o embate na quarta-feira

Sofia x Pujol
foto felipe dalla valle/cmpa
A vereadora Sofia Cavedon (PT) informa que na próxima quarta-feira (29), irá para o embate com o vereador Reginaldo Pujol (DEM) na disputa pela emenda ao Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), que foi derrotada por um voto na Sessão Plenária desta segunda-feira (27), quando foi aprovado por unanimidade o projeto de lei complementar do Executivo que institui, em Porto Alegre, o EIV.

A vereadora destacou a emenda de Pujol, que dispensava a elaboração do EIV nos empreendimentos até 5 mil metros quadrados, revertendo a proposta, que, inclusive, conforme Sofia, já estava no projeto de lei do Executivo Municipal.

Sofia relata que emendas importantes foram derrotadas, como a que suprimia o § 2º do Art. 8, que dispensa o órgão responsável pela aplicação do EIV, desde que demonstre que a avaliação de seus impactos possa ser realizada através de Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU), com a anuência do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental (CMDUA).

No entanto, diz ela, conquistamos com a diferença de um voto, a manutenção da necessidade do EIV nos empreendimentos e atividades acima de 5 mil metros quadrados, para clubes, comércio atacadista, centro comercial, centro cultural e centro de eventos. Mas, avisa Sofia, na sessão plenária de quarta-feira (29) será votado o pedido de renovação de votação a essa emenda. “Vamos para o embate na defesa da manutenção do texto, mantendo a realização do EIV para essas situações”, enfatiza a vereadora.

A matéria completa sobre a aprovação do EIV está no site da Câmara Municipal de Porto Alegre.
Vereadores aprovam Estudo de Impacto de Vizinhança

Projeto e emendas.

Vereadora na Comunidade - Loteamento Costa e Silva reivindica creche

foto josina marcolino
Na última sexta-feira (24), a vereadora Sofia Cavedon (PT), reuniu-se com a comunidade do Loteamento Costa e Silva, no Rubem Berta, quando foi reivindicada a retomada da luta para construir uma creche na região, na área localizada na Av. Dante Ângelo Pilla, 365.

Sofia, que este ano vai às comunidades através do seu mandato, visitando os locais das demandas priorizadas no OP 2011, em especial as que são ligadas a Educação, foi informada pela direção do Centro Comunitário do Loteamento, através de documentos e relatos, que a área desejada para a construção da creche, e da sede do Centro, é propriedade do governo estadual. “Nosso primeiro passo será checar de quem é a área”, diz a vereadora.

foto josina marcolino
Os moradores relataram que o local está abandonado há muitos anos. “Ali resta um prédio em estado de deterioração, onde ficava a antiga sede de uma Associação do bairro que está inativa”, disseram.

 Encaminhamentos

Conforme Sofia dois encaminhamentos foram tirados na reunião: marcar audiência com o secretário da Segurança Pública, Airton Michels, e com o secretário da Educação, Jose Clovis de Azevedo, com o objetivo de buscar convênio de trabalho que possibilite a cedência do espaço para a comunidade. “Uma das possibilidades é implantar o projeto Território de Paz na região, que é executado por meio de parceria entre a prefeitura e o governo federal”, destaca a vereadora.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

EIV – Emendas voltam à pauta de votação nesta Segunda

Um conjunto de Emendas ao projeto de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), que tramita na Câmara Municipal de Porto Alegre, realizado através de construção coletiva com o Fórum de Entidades da Casa Legislativa e que contou com a contribuição do debate técnico de voluntários, está sendo defendida pela vereadora Sofia Cavedon (PT), coordenadora do Fórum.

Conforme Sofia, “acho que avançamos em grandes acordos de Emendas a este Projeto, e aproveito este momento de discussão para levantar alguns detalhes quanto aos quais queremos evoluir até a votação”, disse ela na Tribuna da Casa (15/02).

A nossa avaliação, disse ela, é de que não podemos manter o item que diz que basta um Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU), se assim decidir o Conselho do Plano Diretor, e não precisará haver EIV. “Entendemos que, se o Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) resolverem todos os elementos de dúvida, aí, sim, pode-se abrir mão do EIV, mas do EVU, não. Porque o EVU é um parecer técnico, não levanta e não considera a manifestação da população do entorno, da vizinhança, no impacto de um empreendimento. Não são instrumentos da mesma natureza”, destacou.

foto marcelo g. ribeiro/jc 
Sobre o § 2º do art, 8º, Sofia fez um apelo para que o Governo revise sua posição de mantê-lo. “Acredito que superada essa divergência, a maioria dos acordos construídos aqui vai fazer do Projeto – que já é um bom Projeto, com exceção desse item – um Projeto nelhor, pois ele incorpora muitas situações, mas precisamos conseguir que, de fato, a população que tem direito, sim, ao mesmo tempo de ver a sua Cidade crescendo, de ver preservada a paisagem, preservado o direito de todos à boa posição solar, a um trânsito que flua. Muitas vezes, nesta Cidade - isso o EIV vai trazer, óbvio que outros instrumentos existem, mas o EIV vai trazer o impacto de trânsito no local, e o que a gente está sentindo talvez seja um dos maiores problemas. Nós temos empreendimentos enormes sendo aprovados; cito agora o que vai substituir o Olímpico, onde não avaliaram o impacto do trânsito no entorno”, destacou Sofia.

A vereadora encerrou sua manifestação afirmando: “acredito que estamos numa excelente construção, porque, há pouco tempo, não se admitia nesta Cidade que se regulamentasse EIV. Houve quem votasse contra a Emenda que colocou o EIV no Plano Diretor. Então, acho que isso foi uma grande vitória da revisão do Plano Diretor; perdemos outras, mas o EIV previsto no Plano Diretor e agora regulamentado por Lei Ordinária será um grande passo para que cresçamos com harmonia em Porto Alegre”.

A votação das Emendas ao projeto de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), que tramita na Casa Legislativa, está na pauta da Sessão Plenária de segunda-feira – 27 de fevereiro – a partir das 14h, no Plenário Otávio Rocha da Câmara Municipal de Porto Alegre (Av. Loureiro da Silva, 255).

Veja também:
Emendas do EIV: votação nesta segunda-feira, 27

Sofia é contra os 70 km/h nas vias de Porto Alegre

Não é aumentando a velocidade máxima que vamos melhorar o fluxo do trânsito da nossa Cidade
foto felipe dalla valle/cmpa
“Se estivéssemos em outro nível de criatividade e de investimentos no trânsito da cidade de Porto Alegre, com investimentos em transportes alternativos, em transporte público de qualidade, nós teríamos um trânsito que fluiria tão bem que não seria necessário dar vazão a ideias como essas de aumentar a velocidade máxima nas vias urbanas da Capital”.

A manifestação é da vereadora Sofia Cavedon (PT) referindo-se ao projeto de lei que tramita na Câmara Municipal, o PLL nº 042/10, de autoria do vereador Alceu Brasinha (PTB), que estabelece a velocidade máxima permitida de 70 km/h (setenta quilômetros por hora) para o trafego de veículos automotores nas vias urbanas de Porto Alegre em que o limite atual seja de 60 km/h (sessenta quilômetros por hora).

Segundo a vereadora todos gostariam de andar um pouco mais rápido na Cidade, mas há uma Legislação de Trânsito que não é arbitrária e sem nenhum fundamento, diz ela. “Certamente 40, 60, 80, 100 Km/h têm seu estudo de repercussão, de impacto, de risco. Não podemos primeiro, legislar sobre o assunto; segundo, sermos irresponsáveis e não enxergar, o grau de agressividade que está o trânsito desta Cidade, de acidentes com idosos, com crianças, com mulheres e que não tem como não restringir a velocidade nas vias públicas”, destacou.

foto camila rodrigues
Sofia recorda que tem andado muito de ônibus, realizando vistorias em várias linhas, e está gritante que caiu de qualidade da frota de ônibus na cidade. “Reduziram horários em várias comunidades, ou as são as tabelas são as mesmas cumpridas há 17, 18 anos. Então, as pessoas estão optando muito por automóvel, pelo transporte individual. Não podemos deixar de enxergar que não há investimento continuado em ciclovias, viável, não um passeio de um pedacinho, que depois tem que voltar para a via, mas que possa conectar com o ônibus, que possa ter estacionamentos, lugares seguros para deixar a bicicleta, com a integração entre metrô, ônibus e uma série de inflexões no trânsito de Porto Alegre que certamente melhorassem o fluxo”, destaca a vereadora.

foto arquivo CP
Porto Alegre está sem investimentos há quase uma década, afirma Sofia. “E desafio: quais são os grandes investimentos estruturais que fez o Governo Fogaça/Fortunati no último período? Porque todas essas vias estruturantes como a Av. Sertório, como a Av. Farrapos, como toda a Zona Sul, Av. Protásio Alves, 3ª Perimetral, são todas grandes obras – todas – realizadas pelos Governos da Administração Popular. Depois disso, nenhuma se fez. Nenhuma! Nem ações criativas de alterações d trânsito, quem é da Zona Sul, que sabe da importância das avenidas na região, conhece as que foram duplicadas?”

charge kayser
Portanto, segue ela, nem investimento em transporte coletivo de qualidade, nem investimento em transporte mais integrado à natureza, como ciclovias, como a possibilidade de combinar os diferentes transportes, nem investimento nas vias estruturantes da Cidade para dar vazão aos automóveis! Então, o tema é muito mais complexo do que alterar de 60 Km/h para 70. Fazer isso numa cidade conflitada como está, hoje, Porto Alegre, onde as pessoas perderam muito da urbanidade, da atenção, da delicadeza no trânsito.

Para Sofia, uma cidade tão politizada como Porto Alegre poderia ter uma postura diferenciada no trânsito, de preservação da vida: “quando as pessoas botarem o pé na rua, andar devagar com o carro, cuidar do cidadão, do ser humano que está circulando, seja nas calçadas, seja nas paradas de ônibus. Portanto, é preciso diminuir velocidade e dar fluxo ao trânsito. Ninguém vai pedir para andar veloz se andar sempre e andar bem; ninguém vai pedir para haver mais espaços para automóveis se houver bons ônibus. O ar-condicionado perdeu-se, não há priorização de organização das ruas por onde os ônibus passam para que eles tenham ar-condicionado. Vide a Lomba do Pinheiro, onde temos a Quinta do Portal; lá se tem que passar por uma poeirama, os ônibus não pode ter ar-condicionado, não podem ter motor atrás. É cada vez pior a qualidade dos ônibus! Então, são outros elementos. Acho bom este debate, mas acho que não é aumentando a velocidade máxima que vamos melhorar o fluxo do trânsito da nossa Cidade com segurança e com qualidade de vida”, salienta Sofia.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Emendas do EIV: votação nesta segunda-feira, 27

foto elson sempé pedroso/cmpa
Através de Emendas ao o Projeto de Lei Complementar Nº 003/11, que institui, no município de Porto Alegre, o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), o Fórum de Entidades da Sociedade Civil da Câmara Municipal de Porto Alegre apresentou várias contribuições importantes a proposta. Conforme a coordenadora do Fórum, vereadora Sofia Cavedon (PT), as Emendas são de várias Bancadas e foram negociadas com o Governo Municipal.

A votação das Emendas ao projeto de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), que tramita na Casa Legislativa, está na pauta da Sessão Plenária de segunda-feira – 27 de fevereiro – a partir das 14h, no Plenário Otávio Rocha da Câmara Municipal de Porto Alegre (Av. Loureiro da Silva, 255).

Sofia chama a atenção às Emendas apresentadas pelo Fórum, como a supressão do parágrafo 2º do Artigo 8º, onde possibilita dispensar o EIV mediante o EVU (Estudo de Viabilidade Urbanística), que irá a votação por não ter chegado a um consenso, e, a aplicação das citações onde se aplica o EIV (Emenda 04). Segundo a vereadora é necessário garantir a aplicação do EIV, independente do tamanho da obra, “senão o instrumento ficará restrito aos grandes empreendimentos”, destaca.

foto marta resing
Emenda 04
Acrescenta-se um inciso VII no parágrafo segundo do artigo 8º, o qual passa a ter a seguinte redação:
§2º O EIV também será exigido, sob pena de nulidade do procedimento de aprovação dos respectivos projetos, para os empreendimentos que envolvam:
I – a alteração de uso residencial unifamiliar para multifamiliar, mediante a edificação de prédios, condomínios horizontais e parcelamento do solo;
II – a alteração de atividades;
III- a alteração da altura média existente no entorno;
IV - a unificação ou o fracionamento de lotes;
V – a ocupação de mais de 60% do lote;
VI – o entorno de bens inventariados de que trata o art. 92 da lei Complementar 434/99;
VII –instalação de pólos geradores de tráfego.

Veja também:
Fórum de Entidades da Câmara propõe emendas ao EIV
Terça-feira, 20 de dezembro de 2011

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Vereadora no Ônibus

Muitas das reclamações são infrações
foto josina marcolino
No final do dia desta quinta-feira (23), a vereadora Sofia Cavedon (PT) fez nova vistoria no transporte público da Capital, desta vez na linha Serraria, saindo do Terminal da Uruguai, no Centro.

A maior queixa registrada pelos usuários são os intervalos muito longos, espera e com o tempo de percurso seguidamente aumentado, devido aos devidos em dias de eventos no Gigantinho. Atividades estas, destaca Sofia, previsíveis e continuam sem alternativas pensadas pela EPTC.

A vereadora lembra que muitas das reclamações são infrações e têm multas previstas pela Legislação Municipal de Trânsito. “Estou fazendo a leitura cuidadosa da Legislação e, em breve, passaremos a informar diretamente o cidadão dos seus direitos. Uma das ações é chamar os Agentes de Trânsito (Azulzinhos), eles são obrigados a multar se em flagrante”, revela Sofia.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Cooperativadas - Há 5 anos trabalhadoras lutam pelos seus direitos

foto felipe dalla valle/cmpa 
Sofia Cavedon (PT) pediu, na tribuna da Câmara, que a Secretaria Municipal de Educação (Smed) acompanhe a situação de cerca de 820 mulheres contratados pela Cootrario para serviços de limpeza e cozinha em escolas de Porto Alegre. A vereadora lembrou decisão tomada no ano passado e que definiu que os contratados da cooperativa deveriam ter carteira assinada. “Temos denúncias de que a Cootrario não que atualizar o salário pago.” Conforme a vereadora, também há reclamações da falta de fornecimento de uniformes e equipamento de trabalho. “A Smed precisa garantir a dignidade e os direitos desses trabalhadores.”

A situação

foto marta resing
Atraso no pagamento do vale transporte, não repasse do reajuste do Salário Mínimo Nacional, contra-cheque que não chegam às funcionárias são apenas alguns dos problemas enfrentados pelas cozinheiras, auxiliares de cozinha e auxiliares de serviços gerais, contratadas via Cooperativa de Trabalho, que atuam na Rede Municipal de Ensino da Capital.

Desde 2007 que as trabalhadoras vem lutando para ter dignidade no serviço, quando procuraram a vereadora Sofia Cavedon (PT), que vem denunciando as más condições de trabalho impingidas aos trabalhadores da então Cooperativa Meta, que atendia a Rede, e desde 2010, quando assumiu a Cooperativa Riograndense (Cootrario).

foto camila domingues/cmpa 
Conforme Sofia, faltam equipamentos de proteção, além do não pagamento dos direitos trabalhistas no caso de demissão. “São queixas que vem de várias escolas do município, atingindo mais de oitocentas pessoas!”, destacou a vereadora na Tribuna da Câmara. Em contato com a Secretaria Municipal de Educação (Smed) a vereadora foi informada que inclusive o Acordo Coletivo Sindical já estava firmado. “Segundo a Smed nesta sexta-feira (24/02) estarei recebendo o Acordo”, frisou a vereadora

Anos de luta

foto marta resing
Após anos de lutas, mobilizações, reuniões e aprovação de legislação para a categoria, as cooperativadas (maioria mulheres), acreditaram que a solução havia chegado, quando a Smed avançou para além da Lei 10.687/09 (Lei das Cooperativas), de autoria de Sofia, quando confirmou a troca de regime de contrato conforme a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Infelizmente, ressalta Sofia, as trabalhadoras mesmo com a carteira assinada, não estão recebendo o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) quando desligadas da Cootrario, e a garantia dos direitos trabalhistas não estão vigorando, como o pagamento do Salário Mínimo Nacional.

Encaminhamentos

foto elson sempé pedroso/cmpa
A vereadora Sofia já encaminhou as queixas a Smed e solicitou a Mesa Diretora da Câmara para a realização de uma Audiência Pública para tratar do problema, que há mais de cinco anos vem ocorrendo na Rede escolar de Porto Alegre.

Políticas Públicas para as Mulheres

foto divulgação/AV
Iniciando o debate das políticas públicas a serem levadas no programa de Governo do PT, na campanha eleitoral deste ano à Prefeitura de Porto Alegre, mulheres petistas se reuniram na manhã desta quinta-feira (23) com o pré-candidato do Partido, deputado estadual Adão Villaverde.

Conforme Sofia as conversas, a fase pré-campanha eleitoral, serve para discutir os pontos mais emblemáticos de principais temas como saúde, educação, habitação, saneamento, transporte público, mas com o destaque as necessidades das mulheres e políticas públicas para responder a elas. “No programa essas propostas têm que estar evidenciadas. O processo em si já tem que ser transformador da condição das mulheres”, ressaltou a vereadora.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Sofia retorna a Comissão de Educação

A vereadora Sofia Cavedon (PT), que em 2011 presidiu a Câmara de Porto Alegre, retorna este ano a integrar a Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) do Legislativo Municipal. Em seu terceiro mandato, Sofia sempre participou da Comissão, da qual também já foi presidente e vice-presidente.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Quinta do Portal ainda espera a sua Escola

Construção de escola e mais horários nas linhas de ônibus que atendem a região são as principais reivindicações da comunidade da Quinta do Portal, na Lomba do Pinheiro. E as reivindicações são antigas, lembra a vereadora Sofia Cavedon (PT) que esteve no local nesta quinta-feira (16/02), que este ano irá conferir o resgate do andamento das obras do Orçamento Participativo (OP), especialmente os ligados a Educação, conforme anunciado na Câmara Municipal de Porto Alegre pelo Prefeito da Capital.

Escola
foto josina marcolino
A comunidade aguarda a construção da escola desde maio de 2011, quando a Secretária Municipal de Educação afirmou em audiência na Comissão de Educação da Câmara (Cece), no dia 4 de maio, que o próximo passo seria a construção do prédio, que irá beneficiar 1,2 mil alunos, sendo que o mesmo seria contrapartida da Bolognesi Empreendimentos Imobiliários, que constrói um loteamento na região.

Sofia considera a construção da escola uma obra estratégica na área da educação. “A escola de Ensino Fundamental, na Lomba do Pinheiro, é urgente. Ali, muitas crianças pegam ônibus para ir à escola, com vias íngremes e não asfaltadas”, destaca. Segundo a vereadora todas as crianças da Quinta se enquadram no Vou à Escola, pois estudam em um raio de um quilômetro das escolas Rafaela Remião, Eva Carminatti, Villa Lobos e Onofre Pires.

A construção da Escola Quinta do Portal será pauta da Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece). A data ainda será marcada.

Ônibus
foto josina marcolino
Deslocando-se pela linha Pinheiro e caminhando até a comunidade, Sofia Cavedon constatou o já conhecido em 29 de junho de 2011, quando a vereadora percorreu o mesmo trajeto através do projeto Câmara no Ônibus. Escassez de horário. Essa é a principal queixa dos usuários. “O primeiro é só 9h25min, saindo do Centro, imaginem, chegaríamos lá no final da manhã!”, lamenta Sofia.

Isso sem falar nos finais de semana, que os passageiros tem que descer no Terminal Antonio de Carvalho e pegar a alimentadora (A395) que vai para Quinta do Portal. Este ônibus tem um intervalo muito grande entre os horários, demorando de 40 à 50 minutos. “Em junho fiquei 60 minutos na fila na Av. Salgado Filho para embarcar”, recorda a vereadora.

Outras demandas
Sofia também recolheu outras demandas da comunidade como a pavimentação da Rua Jaime Lino dos Santos Filho (antiga Rua B), demanda desde 2009 no Orçamento Participativo (OP). “Nesta rua tem a Escola Infantil Portal Encantado (n° 604) e as crianças, em especial, pegam muita poeira quando passam ônibus, carros, motos”, observa a vereadora.

A comunidade, em torno de sete mil moradores, reclamou do descaso da Prefeitura com a falta de serviços na localidade. “Ruas sem manutenção, falta de limpeza de praças, são exemplos. Segundo os moradores, eles chamam as Secretarias responsáveis, mas elas não aparecem.

Veja também:
Escolas da Lomba do Pinheiro apontam falta de vagas e suspensão do transporte escolar

Câmara no ônibus – Quinta do Portal não existe nos finais de semana

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Homenagem a Sylvio Nogueira

foto divulgação/RP
Pela passagem dos 32 anos de existência do Partido dos Trabalhadores (PT), o deputado Raul Pont, durante o período do Grande Expediente da sessão plenária de quarta-feira (15) da Assembleia Legislativa, homenageou dois fundadores do partido, América Alves e Sylvio Nogueira, e a João Manoel Idiart, jovem que se filiou recentemente ao PT.

Nossa homenagem também aos companheiros, em especial a Sylvio Nogueira, que tem mais de 50 anos de sua atuação política e sindical, e hoje mais conhecido como um dos mais atuantes militantes da causa ambiental e da cidadania.

Veja também:
Raul Pont homenageia os 32 anos do Partido dos Trabalhadores

32 anos do PT

foto marta resing
A vereadora Sofia Cavedon também prestigiou a festa de aniversário do Partido, comemorada no Armazem do Cais Mauá, na segunda-feira, 13 de fevereiro. O evento contou com a participação de dirigentes, militantes, secretários, parlamentares, lideranças sindicais e populares, além de representantes dos movimentos sociais e de partidos aliados.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Dia Municipal pela Eliminação da Violência contra as Mulheres

Aprovada nesta terça-feira (14), na Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal de Porto Alegre, a proposta da vereadora Sofia Cavedon (PT), que exclui do Calendário de Datas Comemorativas e de Conscientização do Município o Dia da Dona de Casa (31 de outubro), e incluí, no dia 25 de novembro, o Dia Municipal pela Eliminação da Violência contra as Mulheres.

Sofia informa que essa foi a primeira Comissão por qual o projeto de lei passou. Ela destaca que à exclusão do Dia da Dona de Casa atende à reivindicação do movimento das mulheres que entende que essa data não se insere nas ações que visam à autonomia e ao desenvolvimento pleno das mulheres, sem discriminação e com igualdade de tratamento e oportunidades. “Entendemos que o nosso calendário de datas não deve contemplar eventos que apontem para a manutenção de uma situação que, há muito, não existe: a mulher “dona de casa”, mas, sim, eventos que contribuam com as lutas que promovam a igualdade de gênero, cooperando com as políticas de inclusão e equidade social e de enfrentamento à violência e à discriminação” disse a vereadora.

Sofia salienta que hoje as mulheres vivem em um contexto de autonomia, em que está inserida no mercado de trabalho, nas universidades e no movimento social. “Portanto, não é mais a dona de casa”. Atualmente, afirma a vereadora, essa função “do lar” é compartilhada entre a mulher e seu companheiro, não sendo mais uma atribuição exclusiva daquela.

No que se refere à inclusão do Dia Municipal pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, o projeto pretende, ao reafirmar a luta contra a violência, somar esforços às ações que são realizadas no Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, que é marcado mundialmente por lutas pela igualdade e pela autonomia da mulher.

CCJ quer levantamento de leis não cumpridas

foto tonico alvares/cmpa
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) também debateu nesta terça-feira, em conjunto com a Procuradoria Geral do Município, a criação de mecanismos para que seja elaborada uma lista das leis aprovadas no Legislativo e que não estão sendo cumpridas na cidade.

Para a vereadora Sofia Cavedon (PT), o melhor método para iniciar a triagem das leis que não são cumpridas é avaliar um projeto de lei aprovada por cada vereador no Legislativo. "Se todo o vereador informar ao Executivo uma lei sua que ainda não foi regulamentada ou devidamente aplicada, poderemos ter já 36 leis com esclarecimentos e motivos de estarem abandonadas", argumentou. Ao citar um exemplo de sua autoria, Sofia revelou que a lei que estabelece normas para comercialização de produtos alimentícios nas escolas não está funcionando na prática devido à falta de fiscalização. "Existem muitas burlas, pois não está previsto sanções ou multas para as escolas que não cumprirem com a lei", explicou.

Saiba mais no site da Câmara Municipal de Porto Alegre.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Projeto Terças InCâmara

Foto-Relatório das atividades do projeto cultural Terças InCâmara da Presidência da Câmara Municipal de Porto Alegre/RS/Brasil - Gestão 2011 da Vereadora Sofia Cavedon.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Campus da Uergs em Porto Alegre será na Zona Norte

foto marta resing
Após uma visita do Câmara na Comunidade, projeto desenvolvido na gestão da vereadora Sofia Cavedon (PT) no exercício da presidência da Câmara Municipal de Porto Alegre no ano que passou, a ideia de instalar a sede central da Universidade Estadual do RS (Uergs) no Centro Vida, zona norte da cidade, começou a se fortalecer tornando-se hoje uma realidade,

foto marta resing
Com o objetivo de aprofundar o debate e divulgar a proposta, Sofia pautou e participou nesta sexta-feira (09/02) de dois programas da TV Câmara (Canal 16 da NET), onde a Uergs foi o tema central, e contou com a participação de ilustres convidados da vereadora: o reitor eleito, prof. Fernando Guaragna; o líder comunitário do Jardim Ingá, presidente da Associação de Moradores, Salvatore Lettieri, e as representantes da Associação dos Educadores Populares de Porto Alegre (Aeppa), Maria Edi Monteiro Coronel (Presidente), Elvira Swarowski e Fernanda Paulo.

foto marta resing
Conforme destaca Sofia, a reunião no Centro Vida constrói o caminho para Uergs conquistar sua Sede Central, o Campus Porto Alegre! "Comunidade, governo estadual, e o parlamento municipal conheceram a área que está em estudo, a partir da proposta surgida no Câmara na Comunidade realizado lá no ano passado, e da nossa luta pela reabertura do Curso de Pedagogia com ênfase na Educação Popular". A vereadora destacou ainda que municípios da grande Porto Alegre já estavam dispondo de locais para a instalação do campus, mas com a movimentação da comunidade junto com o seu mandato, a proposta de manter a Uergs na Capital ganhou força e tornou-se realidade.

foto marta resing
A Universidade foi a primeira no Estado a promover o curso, onde 117 educadores populares concluíram sua formação em nível superior no final de 2006. Desde então, Sofia juntamente com a Aeppa, vem lutando para a retomada da Pedagogia na linha da Educação Popular na Universidade gaúcha. Sofia reforça que "a intenção é promover o desenvolvimento social e cultural na região, oportunizando aos jovens, inclusive de cidades vizinhas, o acesso à educação”.

Assista na TV Câmara - Canal 16 da NET.

O programa PoA em Debate será exibido a partir desta segunda-feira (13/02), sendo reprisado nos seguintes dias e horários:
SEG - 21h
QUA - 20h
SEX – 20h30min
DOM - 9h /14h

E o programa Câmara na Cidade irá ao ar no dia 20/02 (Segunda-feira), sendo reprisado nos seguintes dias e horários:
foto marta resing
SEG – 20h30min
TER - 20h
QUA - 20h30min
QUI - 21h
SEX - 20h30min
DOM – 8h30min / 13h30min

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

32 anos do Partido dos Trabalhadores

foto tatiana feldens/PT-PoA 
Nesta quinta-feira (09/02), a Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara Municipal de Porto Alegre, iniciou as atividades de comemoração dos 32 anos do PT, com os Vereadores distribuindo, no Largo Glênio Peres, o boletim informativo da Bancada.

O PT está 9 anos à frente do Planalto da República, tendo elegido além de um metalúrgico e grande estrela do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, a primeira mulher presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, - que já conta com aprovação recorde no final do seu primeiro ano de governo.

Programação

Para festejar esta passagem e tantos outros feitos, o Diretório Municipal do partido organiza extensa programação.

Hoje, sexta-feira/10, será realizado um Almoço Temático - O PT pensa o PT -, na sede municipal com o objetivo de fazer um balanço do partido e debater perspectivas. O prefeito Jairo Jorge, o deputado federal Ronaldo Zulke e o militante Antônio Castro serão os palestrantes da atividade, que ocorre por adesão

Também nesta sexta, às 19 horas, na sede municipal, o PT organiza um Ato de Filiações, com as presenças de lideranças políticas, sindicais e dos movimentos sociais.

Já no dia 13 (Segunda-feira), a partir das 19 horas, será realizada uma grande festa no Cais Mauá em comemoração aos 32 anos. O evento contará com a participação de dirigentes, militantes, secretários, parlamentares, lideranças sindicais e populares, além de representantes dos movimentos sociais e de partidos aliados.

Informações pelo fone 32114888 ou secretariaexecutivaptpoa@gmail.com.

Fonte: Site PT/PoA

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Poda em Praça gera inconformidade entre os moradores

foto marta resing
Moradores que circundam a Praça João Paulo I, no bairro Santana, estão inconformados com as podas recentemente realizadas pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam), quando foram retiradas três árvores de porte grande do local.

Conforme relataram a vereadora Sofia Cavedon (PT), o local é conhecido como corredor dos pássaros, especialmente das caturritas, e com os cortes e podas feitas esta semana pela Secretaria, as aves sumiram da Praça. “Além disso, a sombra também sumiu”, salientaram.

foto marta resing
Os moradores, que usufruem continuamente do local, contam com a Associação dos Amigos da Praça João Paulo I, que nem sequer foi comunicada pela Smam sobre as podas e cortes. Fundada em 2009 com o objetivo de buscar melhorias para o local, a entidade já conquistou vitórias como a retirada dos moradores de rua que frequentavam o espaço, além de se mobilizarem para iluminar e limpar a área verde, que fica no encontro das ruas Vieira de Castro e Santa Terezinha.

Segundo relatos dos usuários, a Unimed já tentou junto a Prefeitura a adoção da Praça, mas desistiu frente as inúmeras exigências feitas pelo Executivo Municipal.

foto marta resing
A poda e o corte de árvores foram interrompidas a partir da queixa dos moradores e da visita da vereadora Sofia Cavedon ao local. Ela também está gestionando junto a Smam a realização de uma reunião com a comunidade do entorno da Praça, a fim de que seja apresentado aos moradores o plano de podas da área.

Debate com Juarez Guimarães

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

No ônibus - Linha TV tem muitas reclamações

foto sandra ilibio braz
Na segunda vistoria nos transportes públicos, realizada este ano pela vereadora Sofia Cavedon (PT), as denúncias dos usuários reforçaram as já costumeiras reclamações registradas no projeto Câmara no Ônibus, desenvolvido em 2011 pela Câmara Municipal de Porto Alegre, quando a vereadora exerceu a presidência da Casa Legislativa.

Na linha 195 – TV, que sai da Av. Salgado Filho e vai até o Morro Santa Tereza, a vereadora constatou as reclamações dos passageiros como: ficam mais de 40 minutos aguardando o ônibus, que muitas vezes passam direto pelas paradas, sem parar; correm muito com contínuas freadas bruscas; em período escolar, nos horários de pico como 18h, e especialmente na Rótula do Papa, existe a superlotação, com as crianças ficando espremidas nas portas do carro, ou sentadas nas escadas do veículo.

foto sandra ilibio braz
Os usuários disseram a Sofia que denunciam para a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), que diz que a responsabilidade é do Consórcio STS (Sistema Transportador Sul), sendo que este devolve o problema para a EPTC. Eles também reclamam que somente a linha 195 – TV faz esse trajeto. “Ficamos refém dessa linha para chegarmos em casa”, relatou uma usuária que preferiu não se identificar.

Na quarta-feira (01/02), Sofia recomeçou o Projeto Câmara no Ônibus percorrendo o itinerário da linha 704-Humaitá. Usuários reclamaram da falta de cumprimento de horário da tabela (constatado pela vereadora), ônibus lotado, carros sem ar condicionado e motor ao lado do motorista. Segundo Sofia, no bairro, outra reclamação foi anotada: os abrigos, em dias de chuva, não protegem os usuários.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Sofia apóia levantamento das Leis que não estão sendo cumpridas na Capital

foto tonico alvares/cmpa
Participando pela primeira vez da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal de Porto Alegre, a vereadora Sofia Cavedon (PT) apoiou, na reunião ordinária desta terça-feira (07), a proposta apresentada pelo vereador Sebastião Melo (PMDB), para que o Executivo Municipal apresente um levantamento das Leis que não estão sendo cumpridas em Porto Alegre.

Segundo Sofia, a ideia dá continuidade à proposta apresentada em sua gestão no ano que passou, quando no exercício da presidência da Casa Legislativa desenvolveu o projeto de gestão “Transformando Leis em Direitos”. Nesse sentido, lembra ela, publicamos coletâneas de leis municipais referentes à Criança e ao Adolescente; a Mulher; Pessoas com Deficiência; Direito à Cultura e os Dez Anos de Leis e de Ações Municipais – 2002 a 2011.

O presidente da CCJ, vereador Luiz Braz (PSDB), acolheu a proposta já informando que vão pedir o comparecimento, para a próxima reunião semana que vem, de um representante do Executivo na Comissão para que seja feito um levantamento das Leis que não estão sendo cumpridas pelo Município. "A nossa intenção é saber quais os motivos e quantas estão inertes", disse o vereador.

A CCJ é composta pelos vereadores Luiz Braz (PSDB), Sofia Cavedon (PT), Elói Guimarães (PTB), Sebastião Melo (PMDB), Reginaldo Pujol (DEM) e Waldir Canal (PRB).

PT - 32 anos - A Estrela Brilha

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Na Comunidade – Sofia vistoria obras do OP

Conferir o resgate do andamento das obras do Orçamento Participativo (OP), conforme anunciado na Câmara Municipal de Porto Alegre pelo Prefeito da Capital, é o objetivo das visitas as comunidades que a vereadora Sofia Cavedon (PT) iniciou neste mês de fevereiro.

Com o pé na Comunidade
Sofia, que ano passado (2011) desenvolveu o projeto Câmara na Comunidade, durante a sua gestão no exercício da presidência da Câmara de Porto Alegre, estará este ano (2012), todas as sextas-feiras, visitando os locais das demandas priorizadas no OP 2011, levantadas pelo Observa PoA, da Prefeitura Municipal. Segundo a vereadora as vistorias serão em especial as ligadas a Educação, área que ela tem maior atuação desde o seu primeiro mandato. A vereadora informa que encaminhará a Mesa Diretora do Legislativo Municipal oficio solicitando a continuidade do projeto “Câmara na Comunidade”, desenvolvido ano passado quando ela exerceu a presidência da Casa.

Na sexta-feira (03/02), Sofia esteve na Vila 1° de Maio, Morro da Cruz e Ponta Grossa.

Escola e Creche ainda na priorização
foto rafael duda
Na Vila 1° de Maio, a Associação de Amigos do Grupo Movimento de Amor à Educação e Sonhos – AAGMAES reivindica há anos a construção de uma escola e creche no OP. Conforme Sofia a demanda foi priorizada mais uma vez em 2011. “Só da creche que existe na Vila, de 12 crianças, duas conseguiram vaga no primeiro ano - 6 anos - perto de casa, na Escola de Ensino Médio Professor Oscar Pereira, as demais necessitarão deslocar-se de ônibus!”, ressaltou a vereadora. A construção da escola da Embratel, na Região Glória, é uma demanda antiga das comunidades das Vilas Canudos, Embratel e arredores. A região conta apenas com a Escola Oscar Pereira para atender a grande demanda.

À tarde, Sofia esteve no Morro da Cruz e Ponta Grossa, onde creche e ocupação foram as demandas levantadas.

Obra importante sem priorização no OP

foto sofia cavedon

O acesso a entrada da Escola Municipal de Ensino Fundamental Profª Judith Macedo de Araújo, localizada na rua Saul Constantino, 100, bairro São José/Morro da Cruz, considerada como a única escola totalmente acessível da Rede Municipal de Educação (RME), nem sequer entrou na priorização do OP de 2011.

“A entrada da instituição está muito difícil, especialmente para cadeirantes, sem falar nos dias de chuva, onde o acesso fica quase impossível”, relata a vereadora. Em 2009 e 2010 a demanda para consertar o acesso ficou em primeiro lugar na região. “A comunidade não entendeu porque o Executivo Municipal não colocou a demanda nas priorizações do OP”, ressaltou Sofia.

Falta de moradia na Ponta Grossa
foto rafael duda
Cerca de 560 famílias continuam aguardando as moradias conquistadas através do programa federal Minha Casa, Minha Vida. No encontro, moradores denunciaram a vereadora que estão vivendo em casa de passagem, de aluguel social, ou de favor. As negociações em busca de solução para a situação dessas famílias continuam durante esta semana.

Nesta segunda-feira (06), Sofia participou da reunião extraordinária realizada pela Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana (Cedecondh) da Câmara Municipal, onde os residentes da localidade apresentaram documento com seis reivindicações prioritárias para que as famílias saiam do local de forma imediata e sem confrontos.

As famílias, que residem em terreno da prefeitura de Porto Alegre considerada área de risco na zona sul de Porto Alegre, segundo informação da prefeitura, por decisão judicial, estão assentadas irregularmente em uma área de 27 hectares da prefeitura, localizada entre as Estradas Retiro Ponta Grossa e Serraria, às margens do Arroio do Salso, e devem deixar o local até o dia 10 de fevereiro de 2012.

Nova reunião nesta terça-feira (07), a primeira ordinária da Cedecondh, está previsto a definição sobre a proposta encaminhada pela comunidade e representadas pelo Movimento Pela Moradia Digna da Zona Sul.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Sofia retoma os projetos Câmara na Comunidade e Câmara no Ônibus

Dois dos projetos desenvolvidos na gestão da vereadora Sofia Cavedon (PT) no exercício da presidência da Câmara Municipal de Porto Alegre, em 2011, terão continuidade pela parlamentar este ano. São eles o Câmara na Comunidade e o Câmara no Ônibus.

Conforme Sofia a retomada do Câmara na Comunidade, mesmo que individualmente, começou na sexta-feira (03/02). Segundo ela a nova direção da Casa Legislativa ainda não definiu o que fazer com o Projeto, que ano passado visitou 55 comunidades da Capital. “O Programa é potente na ajuda as comunidades”, afirma a vereadora. Sofia reiniciou as visitas na Vila 1° de Maio, localizada na Oscar Pereira, onde a escola, ganha há anos no OP, foi novamente cobrada! À tarde, Sofia esteve no Morro da Cruz e Ponta Grossa, onde creche e ocupação foram as demandas levantadas.
foto aline ribeiro
Na quarta-feira (01/02), Sofia recomeçou o Projeto Câmara no Ônibus percorrendo o itinerário da linha 704-Humaitá, sentido centro/bairro. Usuários reclamaram da falta de cumprimento de horário da tabela (constatado pela vereadora), ônibus lotado, carros sem ar condicionado e motor ao lado do motorista. Segundo Sofia, no bairro, outra reclamação foi anotada: os abrigos, em dias de chuva, não protegem os usuários

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Educação Popular: Sofia busca reedição do curso na PUC

foto aline ribeiro
A reedição do curso de Pedagogia com Ênfase em Educação Popular, desenvolvido pela Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS) em 2005/2006, foi objeto de reunião entre a vereadora Sofia Cavedon (PT), representantes da Associação dos Educadores Populares de Porto Alegre (Aeppa), com a Coordenação Acadêmica da Faculdade de Educação da PUCRS. No encontro também estavam presentes os educadores populares do Hip Hop, que apóiam a iniciativa de reaver as bolsas de Pedagogia em Educação Infantil e Séries Iniciais.

Sofia lembra que os Educadores Populares de Porto Alegre são jovens, mulheres e homens, entre 25 e 50 anos de idade, e atuam nas áreas de SASE, trabalho educativo, casa de acolhimento, creches comunitárias, casas lares e abrigos. Ela salienta ainda que 63% dos educadores populares, da capital e região metropolitana, necessitam de qualificação.

foto aline ribeiro
Na reunião do dia 01 de fevereiro (quarta-feira), a Vereadora destacou a trajetória de qualificação dos trabalhadores que iniciou em 1999/2000, através da parceria com as Escolas Municipais Emílio Meyer e Liberato Salzano, onde 320 educadores concluíram sua formação em nível técnico – curso normal. Em 2003 ingressaram no curso de Pedagogia na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs), onde, dos 150 inscritos, 117 educadores concluíram sua formação em nível superior no final de 2006. Certamente, mais de 2.000 educadores populares atuam em creches comunitárias conveniadas pela Prefeitura de Porto Alegre.

Os passos da Pedagogia em Educação Popular na Capital

1999/2000 – Parceria com as Escolas Municipais Emílio Meyer e Liberato Salzano. Entre 2001 a 2005 – 320 educadores concluíram sua formação em nível técnico/curso normal.
2003 – Curso de Pedagogia na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs). Dos 150 inscritos, 117 educadores concluíram sua formação em nível superior em 2006. Desde o governo Rigotto, as portas da Uergs fecharam para os educadores populares.
2005 - Convênio entre IPA e AEPPA proporcionou seis bolsas no Curso de Pedagogia Séries Iniciais. Além de Pedagogia, há educadores nos cursos de Educação Física, Direito, História, Música, Matemática, Administração de Empresas, Biomedicina, Farmácia, totalizando 26 educadores.
2005/2006 – Com a parceria entre AEPPA, PUCRS e MEC, mais 126 educadores ingressam no curso Pedagogia em Educação Popular.
2006 - Uma bolsa no Curso de Pedagogia no Instituto de Educação Superior Sevigné.
2007/2008 - O Instituto Brava Gente lança edital de processo seletivo para o Curso de Pós-graduação em Educação Popular: Gestão em Movimentos Sociais.
2007/2009 – Sofia Cavedon, juntamente com a AEPPA, gestiona com o MEC e a UFRGS, a criação do curso de Pedagogia para os Educadores Populares na Faculdade de Educação. As negociações não continuam. Também iniciam as tratativas junto à Escola Superior de Educação Física da Universidade para a criação de um curso de Educação Física fundamentado na Educação Popular e destinado a esse público, porém sem perspectivas até então.
2010 – Formatura das educadoras na PUC e no Pós do Instituto Brava Gente, reeditado este ano. Sofia e AEPPA iniciam tratativas para abertura de curso no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) o que resultou neste segundo semestre em duas turmas de pedagogia, mas só para professores da rede pública, e reedição do curso na Uergs.
2011 – Retomamos as reuniões para o curso de pedagogia com ênfase em educação popular na UERGS para 2012.