quinta-feira, 26 de abril de 2012

O fim da miséria em nossas mãos - Sofia Cavedon

Artigo publicado na edição desta quinta-feira (26) no jornal Zero Hora. 
foto tonico alvares/cmpa
Todo o dia tem informação de vagas para emprego. Agora quem busca o seguro-desemprego tem que fazer curso, porque procura-se profissionais. As grandes empresas assumem obras e dizem que importam trabalhadores por que, por mais que anunciem vagas, não aparecem candidatos...há pouco tempo, ao ler isto, alguém diria: não é no Brasil. Mas é.

E aí se olha para o outro lado, se veem adultos e jovens vagando, no subemprego, no famoso “bico”, nas drogas, abandonando a escola, sem perspectivas de alteração da condição de miséria e sem conseguir se inserir neste extraordinário momento de desenvolvimento. Poderíamos cair na constatação simplista: falta qualificação e logo, oferecendo-a, tudo aconteceria.

Nosso país, quando resolveu erradicar a miséria, percebeu que não bastava a oportunidade da formação e do emprego. Que a herança da profunda desigualdade social, das discriminações raciais, de gênero e sexualidade; da indignidade das condições materiais para a sobrevivência, da segregação territorial - a que foram submetidas gerações de filhos dos índios, dos negros escravizados, dos trabalhadores – constituíram uma distância destes com o novo momento do seu país, que vão exigir de nós ações de maior complexidade que estas.

Por compreender esta distância, o governo federal investe na primeira “ponte” para esta travessia que é a Bolsa Família, sua vinculação com a necessária frequência à escola e acompanhamento de saúde, para que desde a infância se reverta esta predeterminação histórica!

Mas era preciso buscar esta geração de jovens que abandonou a escola cedo, que encontra a degradação e a morte pelas drogas, pela violência, pelo subemprego. Aí nasceu o Pró-Jovem: recursos, formação acelerada, aproximação com o mundo do trabalho. Aqui, o RS Mais Renda vem reforçar o esforço dos jovens que chegaram ao Ensino Médio – e são muito poucos ainda - acrescentando recursos ao Bolsa Família, já em 2011. Fortalecendo e valorizando o movimento de qualificação, o programa contempla também quem entra em curso profissionalizante, ofertado aos milhares pelo governo federal através do Senac e do Senai.

A ampliação das vagas públicas, técnicas e universitárias, o Prouni, o Minha Casa Minha Vida, o Pró-Cultura, o SUAS – Sistema Único de Assistência Social - em estruturação pelo governo federal com os estados e cidades, que investe na reconstrução dos vínculos familiares e sociais - todos, instrumentos para a saída da miséria, para a participação de todos no novo Brasil - exigem que aconteça uma boa mediação nas cidades! É preciso ir ao encontro, informar, mobilizar e envolver para a mudança!

Nunca o Brasil se organizou e investiu tanto para ser um país rico de fato: sem miséria. Façamos a nossa parte!

Vereadora Sofia Cavedon (PT) 
Presidente da Frente Parlamentar de Combate à Fome e à Miséria na Câmara de Porto Alegre