sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Promessa de Fogaça sobre Memorial do FSM deveria ser precedida de autocrítica, diz Raul Pont


O deputado Raul Pont (PT) disse hoje (26) que a promessa do prefeito da capital de construir um Memorial em homenagem ao Fórum Social Mundial parece oportunista se não vier acompanhada de uma autocrítica, já que foi o governo do PMDB, quando Rigotto governou o estado, que desmontou o Memorial construído pelo governo Olívio Dutra e que estava montado nas dependências do Memorial do Rio Grande do Sul, na antiga sede central dos Correio, no centro de Porto Alegre. “Lá estava guardado um acervo importantíssimo das primeiras edições do Fórum. É ridículo um partido fazer um jogo para a platéia desta forma. Primeiro liquida o que já tem e depois promete fazer outro. Cheira a oportunismo”, disse.

O deputado petista lembrou que o PMDB precisa dizer, primeiro, o que fez com o acervo gigantesco que estava no antigo Memorial. “O FSM é um só. Aqueles documentos que estavam lá, da prefeitura e do governo estadual, precisam ser recuperados. Um Memorial é feito exatamente para que as pessoas não percam a memória. Antes de fazer proselitismo, o prefeito deveria procurar explicações no seu próprio partido sobre a liquidação do Memorial que já existia e não se fazer de esquecido”, arrematou Pont.

Fonte: RS urgente

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Participe das atividades em Defesa da Orla

Dia 28/01 - Será um dia marcado por manifestações em Defesa Da Orla do Guaíba. Participe!!!!

8:30 Panfleteação do Material "Projeto Caos do Porto" na Assembléia Legislativa - entrada da atividade do Boa Ventura de Souza Santos;

15h - Instalação da Banca com Camisetas e materiais em Defesa da Orla, na Usina do Gasômetro;

19h - Inauguração da exposição dos Cartuns no bar "Farofa" no Sindicato dos Bancários - Rua General Câmara, 424 - Centro.

Marcha do FSM 10 anos foi marcada por manifestações em defesa da orla!



Nesta 2ª feira, 25 de janeiro, foi oficialmente aberta as atividades do Fórum Social Mundial 10 anos, com uma Marcha que reuniu milhares de pessoas.

Nosso mandato estava inserido na luta em defesa da orla.

Esta semana ainda teremos outras manifestações.

Caos do Porto - Cartuns em defesa da Orla

Projeto CAOS do Porto - Para curtir e pensar

O Cais do Porto será revitalizado - este é o novo anúncio para Porto Alegre.
O modelo já conhecemos: entrega para a iniciativa privada, exacerba ao máximo a especulação da área e alardeia a “grande obra” que traz emprego,desenvolvimento, lazer...
Para isto, não importa que seja Área de Preservação Permanente ou Área de Interesse Cultural ou simplesmente Pública, de todos! Importa que ela é desejada pelos especuladores porque é rentável!
No Cais foram aprovados edifícios de 100 metros de altura. Como dar vazão ao movimento provocado por tamanha densificação com a Mauá e o Centro Histórico já tão conflagrados?
Falam em milhares de vagas de estacionamento...mais carros, passarão por onde?
Foi autorizada construção ao lado da Usina: mais paredões separando a cidade do rio, agressão inaceitável a este patrimônio que é referência da cidade!
Este é o custo para que o executivo municipal encha os olhos da cidade com grandes obras, bem a seu gosto de governar: abandona os serviços cotidianos, o investimento onde mais precisa e entrega à iniciativa privada as áreas mais nobres e valiosas.
E aí, nossa Porto Alegre vai ficando um caos.
Ouvir a cidade sobre tanto impacto? Não convém.
A cidade da participação popular, quando pode falar, escolhe outro caminho.
Foi assim no Pontal do Estaleiro: a consulta popular resultou em um enorme
NÃO à especulação na ORLA!
E, por isso, fala agora por cartoons.
A arte dos nossos melhores na luta por outro mundo!

Sofia Cavedon - Vereadora

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Porto Alegre acorda com outdoors espalhados pela cidade denunciando caos na saúde do RS


Diversos outdoors foram espalhados pelas ruas de Porto Alegre estampando a frase: RS 1° lugar em tudo e, logo em seguida, trazendo alguns dados dos recordes negativos, como a que afirma que Porto Alegre é a capital brasileira com o maior número de aids por habitante do país.

Esta foi mais uma iniciativa do Grupo SOMOS Comunicação, Saúde e Sexualidade, visando chamar a atenção da população, das autoridades e, principalmente, dos participantes do Fórum Social Mundial, para denunciar a má gestão na saúde do Estado e da Prefeitura de Porto Alegre, que tem contribuído para deixar tanto o Rio Grande do Sul, quanto a capital com o maior número de casos por cada 100 mil habitantes e tentando buscar apoio de outras instituições para que esse quadro possa ser mudado.

Mesmo após a coletiva com a imprensa realizada em parceria com o SIMERS – Sindicato Médico do Rio Grande do Sul no último dia 11 de janeiro, onde foi deliberado o encaminhamento das denúncias ao Ministério Público Federal e Estadual, nada foi resolvido.

Gustavo Bernardes, coordenador Geral do SOMOS tem recebido diariamente denúncias de diversas pessoas que vivem com aids que tem ido procurar seus resultados de exames de carga viral e CD 4 feitos no LACEN e que os mesmos não estão sendo realizados no prazo previsto. “Tem pessoas vindo do interior do Estado buscar seus exames e eles não estão prontos e dizem que os exames feitos em dezembro terão que ser descartados e refeitos, causando enormes transtornos para população que vive com HIV/Aids”, afirma.

Sobram problemas na gestão Estadual e Municipal. No Estado a Política não tem nem coordenação e os recursos de prevenção para as ONGs estão parados desde 2008. No município o gestor não investe em prevenção e falta diálogo com a sociedade civil.

Para tentar monitorar e reunir as informações sobre o tema foi criado um blog http://www.rsprimeirolugaremtudo.blogspot.com

Alexandre Böer

Diretor da ABGLT para Região Sul

Jornalista e Coord. Projetos

SOMOS Comunicação, Saúde e Sexualidade

www.somos.org.br

UFRGS abre seleção de tutores para cursos em EAD

O Departamento de Educação e Desenvolvimento Social – DEDS – da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS abriu inscrições para a seleção de tutores para o Curso de Educação a Distância (semi-presencial) sobre Procedimentos Didático-Pedagógicos Aplicáveis em História e Cultura Afro-Brasileira.
O Curso terá duração de 8 meses, iniciando na segunda quinzena de abril de 2010 em data ainda a ser confirmada.
Serão considerados os candidatos com formação em Pedagogia ou licenciaturas com alguma experiência em EAD e conhecimento na temática afro-brasileira.
As fichas de inscrição, disponíveis no site
http://www.prorext.ufrgs.br/deds/ deverão ser preenchidas pelos candidatos e encaminhadas para o e-mail deds@prorext.ufrgs.br no período de 19 a 31 de janeiro de 2010.
Maiores informações através do fone 51 3308-3044

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

FSM - 10 ANOS PARTICIPE!

São dez anos do Fórum e as pautas só se agudizam: o mundo em crise ambiental, financeira e social. O avanço tecnológico não vence a fome, a xenofobia, o preconceito. Em Porto Alegre, seu berço, a luta é para não perder sua marca democrática, seu equilíbrio ambiental, sua identidade cultural. Nunca o povo empobrecido esteve tão abandonado em suas necessidades básicas e nunca tão segregado, no entanto, nunca tão ludibriado pela versão que a mídia garante ao governo Fogaça.

Então, agende-se! Denunciar e lutar é possível! E urgente!

Sofia Cavedon

Nesta segunda, dia 25, iniciam as atividades do Fórum Social Mundial. Mais informações no site www.fsm10.org

Gostaríamos de convidar a todos(as) para o Fórum e ressaltar as seguintes atividades:


25 de janeiro

Caminhada de Abertura do FSM10 – concentração no Largo Glênio Peres, a partir das 15h, teremos uma “ala” de Defesa da Orla. Saída prevista para 17h e tendo a Usina do Gasômetro como destino, onde ocorrerão os shows de abertura.


26 de janeiro

14h – Oficina “Mulheres no espaço de poder” (responsável - UBM, com participação da vereadora Sofia Cavedon) – local: tenda CEBRAPAZ na Usina do Gasômetro.

14h – Oficina “Orçamento participativo: poder popular ou exclusão participativa?” (responsável - ONG Cidade) – local: Sindicato dos Bancários.


18h – Diálogos com Presidente Lula e outros presidentes da América Latina - no Gigantinho, segue flyer.


27 de janeiro

14h - Encontro Internacional Resistindo ao Neoliberalismo: Uma Outra Educação é Possível (responsável – CPERS, com participação do Prof. José Clóvis de Azevedo) – local: Centro de Eventos Plaza São Rafael

15h – Plenária da Marcha Mundial de Mulheres(MMM), na cidade de Gravataí - Câmara de Vereadores (responsável – MMM). Às 18 horas as participantes da plenária saem em marcha pela cidade.


28 de janeiro

Manifestação de Defesa da Orla do Guaíba – na Usina do Gasômetro.

*Exposição de “cartoons” - Projeto CAOS do Porto - no Sindicato dos Bancários, durante a semana do FSM.


TODAS AS MANHÃS, EM PORTO ALEGRE, OCORRERÃO OS SEMINÁRIOS INTERNACIONAIS.


25 de janeiro – na Usina do Gasômetro

9h- Mesa de Saudação (abertura)

11h- Fórum Social Mundial – Balanço de 10 Anos (Lilian Celiberti, Raffaella Bollini, Nandita Shah, Francisco Whitaker, João Antônio Felício, João Pedro Stédile, Oded Grajew, Bernard Cassen, Olívio Dutra)


26 de janeiro - 9h

CONJUNTURA MUNDIAL HOJE
Mesa 1: Conjuntura Ambiental
Mesa 2: Conjuntura Econômica
Mesa 3: Conjuntura Política
Mesa 4: Conjuntura Social

27 de janeiro – 9h

ELEMENTOS DA NOVA AGENDA I
Mesa 1: Bens-Comuns
Mesa 2: Sustentabilidade
Mesa 3: Economia e Gratuidade
Mesa 4: Bem-Viver

28 de janeiro – 9h

ELEMENTOS DA NOVA AGENDA II
Mesa 1: Organização do Estado e do Poder Político
Mesa 2: Direitos e Responsabilidades Coletivas
Mesa 3: Novo Ordenamento Mundial
Mesa 4: Como construir hegemonia política

29 de janeiro – 9h

Sistematização das Grandes Questões e Contribuição para o Processo Fórum Social Mundial

Mais informações podem ser obtidas pelo site www.fsm10.org

A história do Haiti é a história do racismo na civilização ocidental

Por Eduardo Galeano, em Resumen Latinoamericano, via Resistir.info

A democracia haitiana nasceu há um instante. No seu breve tempo de vida, esta criatura faminta e doentia não recebeu senão bofetadas. Era uma recém-nascida, nos dias de festa de 1991, quando foi assassinada pela quartelada do general Raoul Cedras. Três anos mais tarde, ressuscitou. Depois de haver posto e retirado tantos ditadores militares, os Estados Unidos retiraram e puseram o presidente Jean-Bertrand Aristide, que havia sido o primeiro governante eleito por voto popular em toda a história do Haiti e que tivera a louca ideia de querer um país menos injusto.

O voto e o veto
Para apagar as pegadas da participação estadunidense na ditadura sangrenta do general Cedras, os fuzileiros navais levaram 160 mil páginas dos arquivos secretos. Aristide regressou acorrentado. Deram-lhe permissão para recuperar o governo, mas proibiram-lhe o poder. O seu sucessor, René Préval, obteve quase 90 por cento dos votos, mas mais poder do que Préval tem qualquer chefete de quarta categoria do Fundo Monetário ou do Banco Mundial, ainda que o povo haitiano não o tenha eleito nem sequer com um voto.

Mais do que o voto, pode o veto. Veto às reformas: cada vez que Préval, ou algum dos seus ministros, pede créditos internacionais para dar pão aos famintos, letras aos analfabetos ou terra aos camponeses, não recebe resposta, ou respondem ordenando-lhe:
– Recite a lição. E como o governo haitiano não acaba de aprender que é preciso desmantelar os poucos serviços públicos que restam, últimos pobres amparos para um dos povos mais desamparados do mundo, os professores dão o exame por perdido.

O álibi demográfico
Em fins do ano passado, quatro deputados alemães visitaram o Haiti. Mal chegaram, a miséria do povo feriu-lhes os olhos. Então o embaixador da Alemanha explicou-lhe, em Porto Príncipe, qual é o problema: – Este é um país superpovoado, disse ele. A mulher haitiana sempre quer e o homem haitiano sempre pode.

E riu. Os deputados calaram-se. Nessa noite, um deles, Winfried Wolf, consultou os números. E comprovou que o Haiti é, com El Salvador, o país mais superpovoado das Américas, mas está tão superpovoado quanto a Alemanha: tem quase a mesma quantidade de habitantes por quilômetro quadrado.

Durante os seus dias no Haiti, o deputado Wolf não só foi golpeado pela miséria como também foi deslumbrado pela capacidade de beleza dos pintores populares. E chegou à conclusão de que o Haiti está superpovoado... de artistas.

Na realidade, o álibi demográfico é mais ou menos recente. Até há alguns anos, as potências ocidentais falavam mais claro.

A tradição racista
Os Estados Unidos invadiram o Haiti em 1915 e governaram o país até 1934. Retiraram-se quando conseguiram os seus dois objetivos: cobrar as dívidas do Citybank e abolir o artigo constitucional que proibia vender as plantations aos estrangeiros. Então Robert Lansing, secretário de Estado, justificou a longa e feroz ocupação militar explicando que a raça negra é incapaz de governar-se a si própria, que tem "uma tendência inerente à vida selvagem e uma incapacidade física de civilização". Um dos responsáveis pela invasão, William Philips, havia incubado tempos antes a ideia sagaz: "Este é um povo inferior, incapaz de conservar a civilização que haviam deixado os franceses".

O Haiti fora a pérola da coroa, a colônia mais rica da França: uma grande plantação de açúcar, com mão-de-obra escrava. No Espírito das leis, Montesquieu havia explicado sem papas na língua: "O açúcar seria demasiado caro se os escravos não trabalhassem na sua produção. Os referidos escravos são negros desde os pés até à cabeça e têm o nariz tão achatado que é quase impossível deles ter pena. Torna-se impensável que Deus, que é um ser muito sábio, tenha posto uma alma, e sobretudo uma alma boa, num corpo inteiramente negro".

Em contrapartida, Deus havia posto um açoite na mão do capataz. Os escravos não se distinguiam pela sua vontade de trabalhar. Os negros eram escravos por natureza e vagos também por natureza, e a natureza, cúmplice da ordem social, era obra de Deus: o escravo devia servir o amo e o amo devia castigar o escravo, que não mostrava o menor entusiasmo na hora de cumprir com o desígnio divino. Karl von Linneo, contemporâneo de Montesquieu, havia retratado o negro com precisão científica: "Vagabundo, preguiçoso, negligente, indolente e de costumes dissolutos". Mais generosamente, outro contemporâneo, David Hume, havia comprovado que o negro "pode desenvolver certas habilidades humanas, tal como o papagaio que fala algumas palavras".

A humilhação imperdoável
Em 1803 os negros do Haiti deram uma tremenda sova nas tropas de Napoleão Bonaparte e a Europa jamais perdoou esta humilhação infligida à raça branca. O Haiti foi o primeiro país livre das Américas. Os Estados Unidos haviam conquistado antes a sua independência, mas tinha meio milhão de escravos a trabalhar nas plantações de algodão e de tabaco. Jefferson, que era dono de escravos, dizia que todos os homens são iguais, mas também dizia que os negros foram, são e serão inferiores.

A bandeira dos homens livres levantou-se sobre as ruínas. A terra haitiana fora devastada pela monocultura do açúcar e arrasada pelas calamidades da guerra contra a França, e um terço da população havia caído no combate. Então começou o bloqueio. A nação recém nascida foi condenada à solidão. Ninguém lhe comprava, ninguém lhe vendia, ninguém a reconhecia.

O delito da dignidade
Nem sequer Simón Bolívar, que tão valente soube ser, teve a coragem de firmar o reconhecimento diplomático do país negro. Bolívar havia podido reiniciar a sua luta pela independência americana, quando a Espanha já o havia derrotado, graças ao apoio do Haiti. O governo haitiano havia-lhe entregue sete naves e muitas armas e soldados, com a única condição de que Bolívar libertasse os escravos, uma ideia que não havia ocorrido ao Libertador. Bolívar cumpriu com este compromisso, mas depois da sua vitória, quando já governava a Grande Colômbia, deu as costas ao país que o havia salvo. E quando convocou as nações americanas à reunião do Panamá, não convidou o Haiti mas convidou a Inglaterra.

Os Estados Unidos reconheceram o Haiti apenas sessenta anos depois do fim da guerra de independência, enquanto Etienne Serres, um gênio francês da anatomia, descobria em Paris que os negros são primitivos porque têm pouca distância entre o umbigo e o pênis. Por essa altura, o Haiti já estava em mãos de ditaduras militares carniceiras, que destinavam os famélicos recursos do país ao pagamento da dívida francesa. A Europa havia imposto ao Haiti a obrigação de pagar à França uma indenização gigantesca, a modo de perdão por haver cometido o delito da dignidade.

A história do assédio contra o Haiti, que nos nossos dias tem dimensões de tragédia, é também uma história do racismo na civilização ocidental.

Eduardo Galeano é escritor

OFICINA FSM 10 ANOS: "Mulheres nos Espaços de Poder"


Programação:

14 h – Abertura: Cora Chiappetta (UBM/RS)
14h 20 min - Debatedoras:
Coordenadora da mesa Jussara Cony ( Superintendente do GHC)
Manuela D’Avida (Deputada Federal)
Eunice Flores (PMDB Mulher)
Sofia Cavedon (Vereadora de POA)
15h 10 min - Debate com à plenária
15h 30 min - Debatedoras:
Dilce Abgail (CTB)
Bartíria Perpétua Lima da Costa (Presidente da CONAM)
Mara Verlaine do Canto ( Vice Presidente da UAMPA)
Rosi Castilhos (CONDIM)
Bruna Silva Rodrigues (Presidente UJS/POA)
16h 10min - Debate com à plenária
16h 30 min - Encaminhamentos
17h - Enceramento, coquetel e momento artístico.

Local: Barraca do CEBRAPAZ em frente à Usina do Gasômetro

Mande Sugestões, temas a serem abordados e principalmente entre em contado confirmando sua participação.
www.ubmpoa@yahoo.com

PT Convida - LULA em Porto Alegre no Fórum Social Mundial 2010

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

CPERS realiza Encontro Internacional Resistindo ao Neoliberalismo: Uma Outra Educação é Possível


O CPERS/Sindicato promove no próximo dia 27 o Encontro Internacional “Resistindo ao Neoliberalismo: Outra Educação é Possível”, evento aberto ao público e que ocorre paralelo ao Fórum Social Mundial. Com participação de especialistas internacionais em Educação, trazidos especialmente para o Encontro, a iniciativa visa discutir as experiências e práticas na área educacional do Brasil, Argentina, Cuba, Inglaterra e México.

Em comum, fora o Brasil, estes países possuem índices de 100% de alfabetização e o setor, excetuando Cuba, sofre forte assédio da iniciativa privada, principalmente dos grandes grupos econômicos, para adotarem práticas de gestão neoliberais, em detrimento de suas tradições democráticas de ensino. Todos eles contam também com sindicatos e entidades da sociedade civil, semelhantes ao CPERS/Sindicato, que resistem aos planos e políticas privatistas e embora as condições de luta sejam desiguais, os trabalhadores em Educação têm obtido vitórias e conquistas significativas.

Os painéis do evento serão realizados no Salão São José, do Centro de Eventos Plaza São Rafael, na avenida Alberto Bins, 509, a partir das 14 horas e culminarão com a inauguração do Símbolo Internacional da Resistência ao Neoliberalismo na Educação, obra do escultor Valdomiro Motta, a ser instalada no hall da sede do CPERS/Sindicato.

PROGRAMAÇÃO

14h: Abertura

14h30: Atividade cultural

Apresentação de Pedro Munhoz, cantor e compositor

15h: Painel

Painelistas:

• José Clóvis de Azevedo / Brasil: Doutor em Educação, pesquisador e coordenador de Pesquisa e Pós-Graduação do Centro Universitário Metodista IPA. Foi Secretário de Educação de Porto Alegre (1997-2000) e Reitor da Universidade Estadual (UERGS) (2001/2003).

• Alberto L. Bialakowsky / Argentina: Professor titular e pesquisador em sociologia / Instituto de Investigações G. Germani da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires. Presidente de ALAS (Associação Latinoamericana de Sociologia).

• Martin Powell-Davies / Inglaterra: Professor desde 1986. Editor do periódico Classroom Teatcher. Secretário do Sindicato Nacional dos Professores da Inglaterra e País de Gales (National Union of Teachers / NUT). Candidato da oposição de esquerda à presidência do NUT em 2009 e também em anos anteriores.

• María Auxilio Heredia Anaya / México: Foi acadêmica da UAM e participou do Sindicato Único dos Trabalhadores da Universidade Autônoma da Cidade do México.

• María Isabel Domínguez / Cuba: Doutora, Diretora do Centro de Investigações Psicológicas e Sociológicas (CIPS) de Havana.

Debates

17h30: Inauguração do Símbolo Internacional da Resistência ao Neoliberalismo na Educação.

Fonte: Site CPERS Sindicato

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

MP Federal investiga desvio de R$9 milhões de reais na saúde de Porto Alegre

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal deflagraram hoje a Operação Pathos, cumprindo 30 mandados de busca e apreensão no Rio Grande do Sul, São Paulo e Pernambuco. O objetivo é desbaratar uma organização criminosa especializada em desviar dinheiro público destinado, principalmente, à área da saúde. Há indícios de prejuízo superior a R$ 9 milhões aos cofres públicos de Porto Alegre e da União. A investigação iniciou em 2007, quando o Conselho Municipal de Saúde de Porto Alegre fez uma representação ao MPF apontando irregularidades na contratação de uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) para gerenciar o Programa da Saúde da Família (PSF) de Porto Alegre. A organização em questão é o Instituto Sollus, contratado pelo governo José Fogaça (PMDB) em agosto de 2007.

A contratação do Sollus foi motivo de grande polêmica na época. O instituto, completamente desconhecido no Estado até então, foi contratado para substituir a Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS) na gerência das 84 equipes do PSF da capital. Os partidos de oposição do governo Fogaça na Câmara de Vereadores e o Ministério Público Estadual contestaram a contratação do instituto, feita sem licitação. Na época, o secretário municipal da Saúde e vice-prefeito, Eliseu Santos (PTB), defendeu a qualidade o Instituto Sollus para passar a gerir a terceirização do programa. Em agosto de 2009, a prefeitura rescindiu o contrato com instituto por “problemas na prestação de contas”. Em 24 meses, o Sollus faturou cerca de R$ 57,6 milhões em Porto Alegre.

Segundo o MPF, o desvio das verbas do PSF era feito por meio de prestações fictícias de serviços, a maioria deles estranhos à Saúde: advocacia, consultoria, planejamento, auditoria, assessoria, marketing, propaganda, palestras e materiais para escritório, inclusive com emissão de notas fiscais falsas. Teriam sido desviados cerca de R$ 400 mil mensais. Há indícios da apropriação de mais R$ 4 milhões que estariam depositados como provisão para encargos trabalhistas, 13º e férias, totalizando desvio superior a R$ 9 milhões. A organização criminosa seria composta por empresários e agentes públicos associados para praticar crimes contra a Administração Pública, como peculato, emprego irregular de verbas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. O MPF não divulgou o nome desses empresários e agentes públicos.

Fonte RS Urgente

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

OSCIP Guayí lança edital para contratação no projeto em parceria com a SENAES

Para contratação da equipe técnica nacional do Projeto Brasil Local Economia Solidária e Economia Feminista, foi aberto o Edital de Seleção 01/2010.
Guayí foi selecionada pela SENAES como entidade executora do projeto Brasil Local Economia Solidária Economia Feminista com abrangência nacional.

Este projeto busca consolidar as experiências já existentes em todo o país de grupos de economia popular e solidária constituído por mulheres. Através de um processo de formação, qualificação e articulação política, o objetivo é constituir um Núcleo Nacional de Economia Solidária e Feminista estruturado com Núcleos Regionais em 9 estados, onde já existem maior número de projetos.

O projeto inicia em janeiro de 2010 estendendo-se até agosto de 2012. O Edital 01/2010 abre a seleção de 5 cargos, envolvendo Coordenadora(o), 3 Assistentes Técnicas(os) e 1 Assistente Técnica(o) Administrativa(o). O prazo final para envio de curriculos para o mail guayi@guayi.org.br até 25 de janeiro de 2010.

Veja a íntegra do Edital na página da Guayí.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

O último texto de Daniel Bensaïd

“A crise, social, econômica, ecológica e moral de um capitalismo que não retrocede diante de seus próprios limites e cuja desmedida e irracionalidade crescentes ameaçam ao mesmo tempo a espécie humana e o planeta, volta a colocar na ordem do dia a atualidade de um comunismo radical, invocado por Benjamin diante do aumento dos perigos do período entre guerras”. Em seu último artigo, Daniel Bensaïd, falecido terça-feira, em Paris, analisa a atualidade do Manfiesto Comunista e os ferimentos que algumas palavras definidoras da esquerda sofreram no século XX:

As palavras da emancipação não saíram incólumes das tormentas do século passado. Pode-se dizer delas, como dos animais da fábula, que não morreram todas, mas que todas foram gravemente feridas. “Socialismo”, “revolução”, “anarquia” não estão em situação muito melhor que “comunismo”. O socialismo implicou-se no assassinato de Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo, nas guerras coloniais e colaborações governamentais até o ponto de perder todo o conteúdo à medida que ganhava em extensão. Uma metódica campanha ideológica conseguiu identificar, aos olhos de muitos, a revolução com a violência e o terror. Mas, de todas as palavras ontem portadoras de grandes promessas e sonhos de futuro, a do comunismo foi a que sofreu maior dano, por causa de sua captura pela razão burocrática do Estado e sua submissão a um empreendimento totalitário. Resta saber se, entre todas essas palavras feridas, há algumas que vale a pena reparar e pôr de novo em movimento.

É necessário para isso pensar o que ocorreu com o comunismo do século XX. A palavra e a coisa não podem ficar fora do tempo das provas históricas a que foram submetidos. (A íntegra do artigo)

Fonte: RS Urgente

Perdemos o companheiro revolucionário Daniel Bensaïd


Daniel Bensaïd morreu na manhã do dia 12 de janeiro. Perdemos um companheiro militante revolucionário com muitas contribuições originais para o marxismo.

Daniel nasceu em Toulouse há 64 anos. Foi dirigente destacado do maio de 68 na França. O primeiro livro de sua autoria – junto com Henri Weber – que publicamos no Brasil foi justamente Maio de 68 – Um ensaio geral. Traduzimos do francês, datilografamos em matriz e rodamos no mimeógrafo do DAIU (centro acadêmico da Filosofia da UFRGS) em 1977.

Com sua militância iniciada nos anos sessenta, Daniel deu uma contribuição decisiva para construir um elo entre o difícil acúmulo da militância revolucionária anti-estalinista e as novas gerações que lutam pelo socialismo.

Daniel Bensaïd foi fundador da Liga Comunista Revolucionária na França e depois do NPA (Novo Partido Anticapitalista). Foi um dirigente fundamental da IVª Internacional, um de seus mais argutos pensadores. Nos anos 90, já adoentado, passou a uma produção teórica impressionante, expressa em ensaios e livros, muitos traduzidos e publicados no Brasil, dentre eles Marx, o Intempestivo (Rio: Civilização Brasileira, 1999).


Na passagem do século passado, com o advento do movimento antiglobalização, engajou-se com energia renovada nas mobilizações e nos Fóruns Sociais Mundiais.

Daniel foi um colaborador assíduo nos debates para a formação da nossa corrente, sobretudo nos anos 80. Reconhecemos sua contribuição para a nossa construção. Nossa relação foi de amizade, respeito e carinho, mesmo no difícil momento de 2005, quando publicamente divergimos sobre as perspectivas do PT e quando nosso diálogo, antes tão profícuo, foi interrompido.

Partilhamos com a militância revolucionária de Daniel os mesmos valores da democracia socialista, a identidade sempre reiterada com a luta dos oprimidos e explorados de todo o mundo, o internacionalismo de raiz e a convicção de que hoje, mais do que nunca, é o tempo histórico da superação do capitalismo.

No seu livro Une lente impatience, sobre sua trajetória militante, Daniel dedica um capítulo à sua experiência brasileira. Com grande sensibilidade, com a sua admiração pela música de Chico e Milton, começa (e termina) citando a poesia de Carlos Drummond de Andrade, que bem pode resumir todo seu esforço militante: “Oh vida futura! Nós te criaremos!”

Prestamos nossa homenagem a Daniel Bensaïd, uma homenagem à rebeldia, uma homenagem à revolução!

São Paulo, 12 de janeiro de 2010.

Democracia Socialista-tendência do PT

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Entrevista coletiva no SIMERS com a participação da Vereadora Sofia

Marcha Mundial de Mulheres no Fórum Social Mundial 2010


A executiva da Marcha Mundial de Mulheres,CONVOCA a todas as companheiras (que puderem) a participar desta primeira reunião de 2010, preparatória a Ação e ao FSM.

Quando: 14/01 - das 18:30 às 20:30

O que: Reunião da Executiva ampliada da MMM-RS (todas que puderem devem participar)

Fundamental a participação das companheiras de Gravataí para sabermos como está o processo organizativo e de mobilização.

Local: Borges de Medeiros (escadaria) Comunidade Utopia e Luta (algumas já estarão lá para a oficina de bolsas)

Pauta:
- organização das atividades do FSM - mobilização
- Ação 2010 - finanças, mobilização e infra
- atividades de formação e mobilização pelo interior
- confecção de materiais da MMM para o FSM

Fonte: MMM-RS / Blog

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Capital tem maior incidência de Aids do Brasil

A Frente Parlamentar de Luta contra as DSTs e Aids, instalada na Câmara de Vereadores, em dezembro, estará representada pela sua presidente, vereadora Sofia Cavedon. A parlamentar lembra de outras duas atividades, previstas pela Frente, para o mês de fevereiro:

1) Dia 4 – quinta-feira: período especial de comunicação - a Frente Parlamentar falará sobre o tema para o conjunto de vereadores, na Câmara Municipal.

2) Dia 5 – sexta-feira: primeira das visitas - Hospital Vila Nova, que atende pelo SUS a pessoas com maior vulnerabilidade. A ideia é iniciar um diagnóstico do que existe de equipamentos e fluxos em Porto alegre para o enfrentamento da questão.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Agenda 08 a 31 de Janeiro

Vereadora Sofia Cavedon entrou em férias. Retorno no final de janeiro.

As atividades do mandato continuam com a equipe do Gabinete.

Contatos: 51.3220.4263

Hospital de Clínicas de Porto Alegre abre novas vagas


O Hospital de Clínicas de Porto Alegre, tornou público a realização do processo seletivo, conforme edital 01/2010, em parceria com a Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - FAURGS.
Saiba mais no edital 01/2010

Notícias do Fórum Social Mundial 2010.



quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Abertas as inscrições de artistas para mostras de 2010

O setor de Exposições do Memorial da Câmara Municipal de Porto Alegre recebe, até 23 de janeiro, inscrições para os artistas interessados em expor na Casa em 2010. O material de inscrição pode ser entregue no setor de Exposições (2º piso) ou na sala da coordenação do Memorial (térreo), de segunda a quinta-feira, das 9 às 11 horas e das 14 às 17 horas, e às sextas-feiras, das 9 às 11 horas e das 14 às 15 horas. A Câmara fica na Avenida Loureiro da Silva, 255.

No ato da inscrição, que é gratuita, o candidato deverá entregar a seguinte documentação:
- Ficha de inscrição preenchida e termo de ciência do regulamento assinado;
- Oficio dirigido à Câmara Municipal de Porto Alegre, solicitando espaço de exposição;
- Currículo artístico;
- Cinco (5) fotos 13 x 18 cm, retratando, com clareza temática, a técnica e a linguagem artística das obras a serem expostas;
- Texto breve sobre a exposição proposta (número de obras, técnica, temática, contextualização).

Serão aceitas inscrições pelos Correios, desde que postadas até 23/1/2010 e realizadas da seguinte forma:
- Imprimir e preencher a ficha de inscrição no site; www.camarapoa.rs.gov.br;
- Enviar documentação completa e envelope selado para posterior devolução do material para: Câmara Municipal de Porto Alegre – Setor de Exposições / Av. Loureiro da Silva, 255 / Porto Alegre - RS / CEP: 90013-901.

Há dois espaços culturais destinados aos artistas selecionados: a Galeria Clébio Sória, no térreo, e o T Cultural Tereza Franco, no 2º piso, que poderão ser ocupados por até três semanas. Mais informações: (51) 3220-4392 e 3220-4100, ramal 4554, ou pelo e-mail claudiah@camarapoa.rs.gov.br

Fonte: Camara Municipal de POrto Alegre

Novo Hamburgo abre vagas para professores(as)

Foram abertas 18 vagas na Prefeitura de Novo Hamburgo para professores e professoras de artes, com licenciatura em artes plástcias/artes visuais/arte na diversidade/educação artística, 20h salário inicial de R$ 1.197,00!!!
Confira os editais nos lincks abaixo:

http://www.fundacaolasalle.org.br/concursos/proc_aberto_nh29.php
Pedagogia 40h salários de mais de R$ 2.000,00

http://www.fundacaolasalle.org.br/editais/nh2/ed30/edital_30_nh_20hrs.pdf

Grupo de trabalho discute Projeto de Lei na área da Habilitação e Reabilitação às Pessoas Com Deficiência

Nesta terça-feira (05 de janeiro) aconteceu mais uma reunião do Grupo de Trabalho, composto por instituições e pessoas que atuam na área, que discute e constrói Projeto de Lei para melhorar o fluxo e o atendimento na área da Habilitação e Reabilitação às Pessoas Com Deficiência (PCDs). O Projeto propõe alterações à Lei Complementar nº395, de 26 de dezembro de 1996, que dispõe sobre a Atenção à Saúde das Pessoas com Deficiências, instituído no Código Municipal de Saúde do Município.
Com a conclusão da primeira versão do Projeto de Lei, foi acordado que as instituições levarão o texto para discutir entre seus pares e que o mesmo será encaminhado ao Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Porto Alegre (Comdepa) e ao Conselho Municipal de Saúde para que elaborem parecer sobre o Projeto .
Em março acontecerá um ato para protocolar o Projeto na Câmara de Vereadores e um seminário para debater e apresentar o Projeto aos demais vereadores e à sociedade.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

O Cais do Porto não está à venda

O projeto de revitalização da área do Cais do Porto deveria responder ao anseio e necessidade da cidade de ampliar sua relação com o Guaíba e ativar o potencial turístico e econômico deste precioso patrimônio cultural.
Para que isto se efetivasse, fazia-se necessária a destinação de áreas públicas para que o cidadão porto-alegrense tivesse condições de desfrutar as belezas naturais que por tanto tempo ficaram escondidas atrás do muro da Mauá. Ora, a lei votada retira a obrigatoriedade de reserva de áreas para o sistema viário e equipamentos públicos, tornando toda a área privada. Como, então a população terá acesso? Apenas se consumir ou pagar? Emendas que corrigiam esta previsão não foram aprovadas pela maioria da base do governo.
A essência do projeto, na verdade, visava tornar a área o mais rentável possível para a venda.
Deve ser por isto que ao lado da Usina do Gasômetro, ficou possível a edificação de prédio de 11 andares, com ocupação de 90% da área, atingindo a ambiência desta que é símbolo de nossa cidade – ao invés do parque que emenda derrotada propunha! Autorizou-se o aterro do rio, terminando com as reentrâncias do local. Ora, trata-se de área de preservação permanente e do bem estratégico mais precioso de Porto Alegre: o manancial de águas do Guaíba. Portanto, não pode ter sua área reduzida. Além do mais, aquelas reentrâncias são elementos de valorização, pela beleza que concedem à paisagem. Aliás, o projeto retirava a exigência de recuos de jardim, o que repusemos com emenda!
Mas o prefeito foi mais longe: tentou propor o uso residencial, mesmo contrariando a decisão da cidade na recente Consulta Popular! Emendas vetando este uso garantiram o caráter comercial e de lazer do Cais, porém, não conseguimos impedir a construção de prédios de cem metros de altura – o dobro da máxima praticada na cidade!
Emendas aprovadas indicaram a continuidade da Feira do Livro, espaço para a Universidade Federal, para o artesanato, a educação ambiental, a conexão com o Camelódromo e o transporte fluvial. Teremos que garanti-las!
Em vez de mega empreendimentos, atraídos a custa de agressões ao nosso patrimônio, quem sabe valorizamos nossos empreendedores locais e privilegiamos o acesso público para que o cidadão desfrute a belíssima paisagem que o Guaíba nos proporciona? Qualidade de vida não está à venda e ela deve orientar o desenvolvimento de Porto Alegre!

Sofia Cavedon – vereadora do PT
Jornal do Comércio – 04/01/2010

...que em 2010 não nos falte coragem, alegria e arte. Um ótimo ano para todos nós!

... é o que deseja a equipe do Gabiente da Vereadora Sofia Cavedon.